Economia | 17-10-2020 07:00

Mercado de Alcanena reabriu dois anos depois de cara lavada e com visitas ilustres

Mercado de Alcanena reabriu dois anos depois de cara lavada e com visitas ilustres
ECONOMIA

Área envolvente ao espaço foi também reabilitada pelo município.

Após dois anos encerrado ao público e mais de um milhão e 600 mil euros de investimento, apoiado em 850 mil euros por fundos comunitários, o Mercado Municipal António Galveias Dias, em Alcanena, reabriu ao público com cara renovada. A obra veio dar um ar mais moderno ao mercado, construído em 1985. A novidade é a existência de um espaço polivalente, que poderá servir para acolher actividades culturais.

As bancas no centro do mercado obedecem a todas as recomendações de higiene exigidas pela Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE), bem como as lojas nas laterais do espaço. A área envolvente ao mercado foi também alvo de requalificação e existe já um projecto, que vai avançar em breve para concurso público, para reabilitar a área contígua.

A inauguração não foi aberta à população, devido às restrições provocadas pela pandemia de Covid-19, mas os mais curiosos não arredaram pé das imediações do espaço, assistindo à chegada das personalidades convidadas, nomeadamente a ministra da Coesão Territorial, Ana Abrunhosa e o secretário de Estado adjunto e do Desenvolvimento Regional, Carlos Miguel.

A presidente da Câmara de Alcanena, Fernanda Asseiceira, aproveitou a presença dos governantes para apontar esta obra como um “bom exemplo” do uso dos fundos europeus. “Este é o contributo que Alcanena dá ao nível da execução do Plano de Acção de Regeneração Urbana (PARU). Temos obra pensada e, acima de tudo, executada”, atirou.

Um recado que Ana Abrunhosa devolveu à autarca de Alcanena com um elogio à sua capacidade de organização. “Já nos habituou no ministério a ser muito organizada e a saber muito bem o que quer para o concelho de Alcanena. É muito fácil trabalhar consigo”, apontou a ministra.

A requalificação beneficiou de uma comparticipação de fundos comunitários na ordem dos 850 mil euros, ao abrigo do PARU, no âmbito do Programa Operacional Regional do Centro. Fundos que a ministra da Coesão Territorial defendeu que devem ser utilizados para valorizar o “que já temos”, sendo a inauguração do Mercado Municipal de Alcanena um “excelente” exemplo.

À margem

Uma força da natureza

Presente na inauguração das obras de requalificação do mercado esteve o antigo presidente da Câmara Municipal de Alcanena, Joaquim Pereira Henriques, que participou no acto de descerramento da placa de inauguração do espaço. Foi pela mão deste autarca (à esquerda na foto) que, em 1985, o mercado foi inaugurado pela primeira vez. Visivelmente satisfeito, actualmente com 98 anos, o ex-autarca foi alvo de menções elogiosas. A ministra da Coesão Territorial, Ana Abrunhosa, chegou mesmo a referir a raridade de momentos como este. “Uma força da natureza” foi como Fernanda Asseiceira se referiu ao ex-presidente da Câmara de Alcanena.

Poder feminino

Presentes na cerimónia estiveram ainda as presidentes da Comissão Coordenadora do Desenvolvimento Regional (CCDR) do Centro, Isabel Damasceno, e da CCDR de Lisboa e Vale do Tejo, Teresa Almeida (ambas à direita na foto). Isabel Damasceno partilhou a história de quando conheceu Fernanda Asseiceira, há mais de 20 anos, num evento sobre “As Mulheres na Política”, para aludir ao facto de estar numa cerimónia onde o poder feminino reinava, com duas presidentes de CCDR, a presidente da câmara anfitriã e ainda a presidente da Comunidade Intermunicipal do Médio Tejo e da Câmara de Tomar, Anabela Freitas. Outro dado curioso é que as presidentes das CCDR também já foram autarcas, pois na primeira década deste século Isabel Damasceno presidiu à Câmara de Leiria pelo PSD e Teresa Almeida dirigiu o município de Setúbal pelo PS.

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1479
    19-08-2020
    Capa Médio Tejo
    Edição nº 1479
    19-08-2020
    Capa Vale Tejo