Economia | 01-01-2024 07:00

João Silva: duas décadas a trabalhar para dar qualidade de vida a quem o procura

João Silva: duas décadas a trabalhar para dar qualidade de vida a quem o procura
Osteopata João Silva tem clínica aberta em Almeirim e trata problemas relacionados com o sistema músculoesquelético

A osteopatia salvou João Silva de uma cirurgia de risco à coluna quando tinha 22 anos. Há 20 anos abriu a sua clínica em Almeirim em conjunto com a esposa, Marina Silva, e é conhecido por fazer “milagres”. O osteopata não tem dúvidas de que o sedentarismo é factor de risco e que a saúde física e mental estão directamente ligadas.

O osteopata João Silva, com clínica em Almeirim, está a celebrar 20 anos a devolver a mobilidade e qualidade de vida aos seus pacientes. O interesse pela osteopatia nasceu após ter sofrido um grave acidente automóvel e ter ficado com problemas na coluna cervical, na região do pescoço, hérnias discais, e alguns nervos e a própria medula comprometida. Na altura, um profissional com muitos anos de experiência aplicou-lhe técnicas de osteopatia e salvou-o de uma cirurgia de risco. Aprendeu a arte, desenvolveu as suas próprias técnicas e agora é conhecido por fazer “milagres”.
Embora a osteopatia actue em todo o sistema músculo-esquelético, os casos com que mais se depara no dia-a-dia são de problemas na cervical e lombar, tendinites nos ombros e problemas nos joelhos. Conhece na primeira pessoa os sintomas, as limitações e como corrigir. No caso de problemas na cervical, os sintomas habituais são dores no pescoço, dormência nas mãos e dores de cabeça, sintomas que levam muitas vezes, erradamente, a um diagnóstico de torcicolo. Na região lombar é comum a dor ciática. “Segundo os últimos estudos a maior parte da população vai ter problemas na coluna vertebral. O que tem acontecido nos últimos cinco anos, também nos mais jovens, são complicações causadas pelo sedentarismo”, afirma.
O objectivo é o cliente sentir resultados após o primeiro tratamento, sendo que raramente são realizados mais de quatro na mesma zona. O profissional aconselha uma consulta a cada três meses, referindo que o Inverno é a época onde aparecem mais dores por haver mais contractura muscular. Na sua carteira de clientes tem altas personalidades tais como médicos, desportistas e artistas de todo o mundo, alguns realizam o tratamento e voam no mesmo dia.
Para João Silva o mais importante é intervir de imediato. “Uma pessoa quando tem dores começa a ficar depressiva. Isso leva a que não tenha vontade de sair, fazer desporto e até trabalhar. A dor ao piorar começa a provocar degeneração e o corpo começa a aceitá-la. Ao fim de três meses é considerada dor crónica”, alerta, acrescentando que a saúde física e a mental se influenciam mutuamente. “Em pessoas com depressão, a pressão que sentem na parte músculo-esquelética e no sistema nervoso central provoca tensão muscular, contracturas e dores, daí que depois surjam problemas como a fibromialgia”, exemplifica.
João Silva considera que o sucesso do seu trabalho reflecte a proximidade que tem com os seus pacientes. “Só posso fazer um balanço positivo porque tinha pessoas de 40 anos que agora têm 60 e continuam a recorrer aos meus serviços e jovens de 20 com 40 que trazem os filhos”, afirma com orgulho, revelando que já realizou alguns sonhos de jovens militares e assistentes de bordo ao corrigir-lhes a coluna, o que permitiu que “ganhassem” dois centímetros de altura e ingressassem nas carreiras.
João Silva trabalhou em Lisboa, no Porto e começou a sua carreira numa clínica em Marinhais em regime part-time. Tem curso superior de osteopatia e pós-graduação com tese em Osteopatia Pediátrica e fez ainda formações em Paris, Nova Iorque e Sri Lanka. A sua clínica em Almeirim está sediada na Rua do Paço, número 36, e o negócio é partilhado com a companheira, Marina Silva, que presta serviços na área da osteopatia, massagem e estética.

Mais Notícias

    A carregar...
    Logo: Mirante TV
    mais vídeos
    mais fotogalerias

    Edição Semanal

    Edição nº 1652
    21-02-2024
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1652
    21-02-2024
    Capa Lezíria/Médio Tejo