Entrevista | 21-07-2020 12:30

Fátima Machacaz diz que os problemas da Barrosa são com ela

Fátima Machacaz diz que os problemas da Barrosa são com ela
TEXTO COMPLETO

Fátima Machacaz caiu na política de pára-quedas com a missão de conquistar o bastião comunista na Barrosa. É presidente de junta eleita pelo PS há uma década e está a um ano da sua “reforma política”.

Fátima Machacaz caiu na política de pára-quedas com a missão de conquistar o bastião comunista na Barrosa. É presidente de junta eleita pelo PS há uma década e está a um ano da sua “reforma política”. É contabilista de profissão, mas para gerir um orçamento de 90 mil euros e contar os fregueses diz que não é preciso fazer grandes cálculos num território cada vez mais desertificado. Em entrevista a O MIRANTE avisa que não entra em guerrilhas internas do PS nem pede ajuda aos seus vereadores para levarem assuntos à câmara preferindo tratar disso pessoalmente. “Foi em mim que a população votou para defender os seus interesses”, frisa.

A Barrosa está a ficar deserta. Caminha no sentido contrário ao das restantes freguesias do concelho de Benavente que têm vindo a ganhar população. Impedir que se torne numa aldeia deserta só com uma injecção de investimentos públicos e privados. Quem o diz é Fátima Machacaz, presidente de Junta de Freguesia da Barrosa desde 2009, a primeira a pintar de rosa socialista uma freguesia tradicionalmente comunista.


“A freguesia tem 600 habitantes. A maior parte são idosos, quase não há jovens ou crianças. A escola primária e o pré-escolar já fecharam. Em dez anos perdemos 100 eleitores só por falecimento”, diz em entrevista a O MIRANTE. A presidente de junta sustenta que a chave do problema são os empurrões que as pessoas levam para se mudarem para cidades onde têm acesso a mais serviços. Mas também se deve, alerta, à falta de incentivos e de terrenos para construção, ao contrário do que acontece, por exemplo, na freguesia vizinha de Santo Estêvão que tem ganho população. “Teve influências de grandes herdades e proprietários com poder financeiro porque, diga-se, também havia área para isso. A Barrosa é um jardim, sem ter espaço para crescer como Santo Estêvão cresceu”, acentua.


Fátima Machacaz recebeu O MIRANTE numa tarde de sexta-feira na sede da junta de freguesia com vista para um jardim vazio de gente, também ele sinal de uma aldeia despida de comércio ou restauração, à excepção dos três cafés pouco frequentados nestes tempos de pandemia. A conversa feita numa semana em que o concelho viu subir o número de casos de Covid-19 passou por aí, com a autarca a destacar que na Barrosa não houve até agora um único caso positivo a registar. Mas também passou pelo desconforto de se ficar isolado numa aldeia isolada onde praticamente não há transportes públicos e as pessoas andam à boleia, inclusive à sua.


“É algo comum. Vejo as pessoas na paragem [de autocarro] e pergunto se querem boleia”, vinca e acrescenta que se o seu carro abre as portas à população, o telefone é uma espécie de número de emergência, que funciona 24 horas por dia, para resolver problemas da freguesia e do quotidiano de cada um, desde a elaboração do IRS, a como se envia a contagem da luz.

Investimentos orçamentados metidos na gaveta

A autarca lamenta que a Câmara de Benavente não invista mais na Barrosa e arraste a concretização de obra de orçamento em orçamento. O actual executivo construiu naquela freguesia a primeira ciclovia do concelho, o que considera ser “um bom investimento”, mas esqueceu-se da reabilitação do parque lazer do Vale da Asseiceira e do parque infantil junto à antiga escola que está há três anos fechado à espera de ser remodelado.


A Junta da Barrosa tem um orçamento anual de 90 mil euros. Tem três funcionários e uma presidente de junta que recebe 274 euros. “Não dá para grandes investimentos, mas bem gerido chega para conservar o que existe e fazer pequenas intervenções, como temos vindo a fazer”, diz, destacando a criação de um novo espaço de lazer com jardim, sistema de rega automática e aparelhos geriátricos.

“o que me interessa é defender os interesses da Barrosa”

Falando da acção política, Fátima Machacaz diz-se uma autarca reservada que raramente intervém numa assembleia municipal e que não entra a pés juntos quando o faz. Em tricas políticas, sobretudo nas que giram em torno da concelhia do PS, é que não entra mesmo. “Vivo à margem de tudo isso. Posso ter sido eleita pelo PS, mas o que me interessa é defender os interesses da Barrosa. Eles que se entendam”, atira.


O afastamento do partido é notório e a autarca, que está no seu último mandato e se quer “reformar politicamente”, não se esforça para o esconder. Diz que não manda “recados aos vereadores” socialistas na câmara municipal, para que não os usem em discursos políticos. “Os problemas da Barrosa resolvo-os eu. Se é preciso agir vou falar directamente com o presidente da câmara. Foi em mim que a população votou para defender os seus interesses”, frisa.


Fátima Machacaz foi a primeira cabeça-de-lista a conseguir derrubar o bastião comunista que imperava na Barrosa, à semelhança do que acontece na câmara municipal e nas duas maiores freguesias, das quatro que há no concelho. Está no terceiro mandato. Numa retrospectiva olha para a sua entrada na política como quem cai de pára-quedas num terreno desconhecido. “Não tinha noção de nada”, confessa, e não estava filiada em partido algum. Nem está, porque não acredita que seja pela cor partidária que foi eleita.


Tem dificuldade em definir-se, mas sabe que tem “os pés bem assentes na terra” e não gosta de sonhar alto para evitar grandes quedas na vida. Garante que ser mulher combina com a política porque se tem maior sensibilidade para tratar assuntos que “mexem com a vida das pessoas”. Valoriza a proximidade que tem com os fregueses, alguns dos quais a viram crescer e a brincar nas ruas que agora tem de manter em ordem. E, assegura, não a incomoda nada que a tratem por “Fatinha”. O que importa, diz, “é que sintam à vontade para falar, para pedir o que for preciso e ajudem a identificar os problemas da freguesia que precisam de ser resolvidos”, remata.

Deixou de estudar para ajudar a sustentar a família

Fátima Machacaz nasceu há 48 anos na Barrosa, viveu 23 anos no Porto Alto e reside há dois em Benavente. Tem amor à terra onde muitas vezes sujou as mãos a brincar na rua, mas acabou por seguir a tendência: trocar a aldeia por zonas do concelho próximas de serviços, do seu local de trabalho e escola da sua filha.


Tinha 12 anos quando o seu pai faleceu. Era agricultor, tal como a maioria da população da Barrosa naquela altura, e era o sustento da casa. Fátima Machacaz viu-se obrigada a largar a escola (no nono ano) para ir trabalhar e ajudar no sustento da família. Foi dessa experiência, como funcionária no departamento de contabilidade de uma empresa, que ganhou gosto pelos números e cresceu a vontade de voltar a estudar.
Licenciou-se em contabilidade e administração. Trabalhou e estudou ao mesmo tempo e ficou grávida pelo meio. “Saí da faculdade aos 30 anos com uma filha bebé. Durante anos tive dois empregos. Só há quatro abri escritório por conta própria, em Benavente”, diz.


A pandemia trouxe-lhe trabalho redobrado com muitas empresas a recorrerem à sua ajuda para fazer as candidaturas ao regime de lay-off. “Tarefa que compete aos advogados, mas que muitos contabilistas fizeram”, diz, confessando que foram tempos desgastantes, com muitas horas de sono perdidas. Receia que muitas das empresas não recuperem.


É uma mulher de hábitos. Por isso, continua a fazer parte das compras para a casa no Porto Alto. Gostava de ter mais tempo para praticar exercício físico, e sempre que se despacha mais cedo do trabalho e das suas obrigações de autarca vai caminhar com a filha. Costuma tirar uma semana de férias para conhecer o país, mas este ano não arrisca e vai ficar entre Benavente e a Barrosa.

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1468
    09-07-2020
    Capa Médio Tejo
    Edição nº 1468
    09-07-2020
    Capa Vale Tejo