Entrevista | 14-10-2020 10:00

“Autarcas deviam ter formação quando entram para os cargos”

“Autarcas deviam ter formação quando entram para os cargos”
TRÊS DIMENSÕES

Pedro Matos, 47 anos, é presidente da Junta de Freguesia de Mouriscas.

Pedro Matos nasceu em Lisboa onde viveu até aos 23 anos, altura em que se mudou definitivamente para Mouriscas, concelho de Abrantes. Todos os fins-de-semana visitava a terra natal dos seus pais, de que sempre gostou. Depois de um curso agrícola apostou num curso de informática. Apaixonado por motos, nem um acidente lhe tirou a vontade de viajar em duas rodas. Gosta de caça e pesca e em casa é ele que cozinha.

Aos dez anos já vinha sozinho de Lisboa para as Mouriscas. Apanhava o autocarro em Benfica até Santa Apolónia e vinha de comboio. Nasci e vivi em Lisboa até aos 23 anos mas todos os fins-de-semana regressava. Os meus pais são de cá, mas foram viver jovens para a capital à procura de melhores oportunidades de trabalho. Era nas Mouriscas que tinha os meus amigos mais próximos.

As minhas férias de Verão eram passadas a trabalhar. O meu pai dava-me objectivos. Ou tinha que pintar os muros da casa ou arranjar o jardim ou arrancar batatas da nossa horta. Tinha um pequeno tractor e arranjava os terrenos dos vizinhos mais velhotes que me pediam para fazê-lo. Tinha os bolsos sempre cheios de dinheiro. Houve um ano em que trabalhei a fazer tijolo e telha para pagar uma multa. Costumava passar uma semana ou duas na praia do Magoito, onde os meus primos tinham casa, mas não ligo muito a praia.

Fiz o curso agrícola mas como não havia grandes oportunidades de trabalho nessa altura mudei e tirei o curso de informática. Dei formação e trabalhava em empresas de informática. Foi nessa altura que surgiu a oportunidade de trabalhar em Mouriscas. Mais tarde criei a minha empresa de informática, até que começaram a aparecer grandes empresas e optei por concorrer aos concursos públicos para as escolas. Fiquei no Sardoal, onde fiz um pouco de tudo.

Sou apaixonado por motas e adrenalina. Em 2002 tive um acidente em que rasguei os tendões do joelho esquerdo. Necessitei de dois anos para recuperar do acidente. Desde pequeno que gosto de motas. Vendi uma há pouco, porque não era bem como queria, mas vou comprar outra em breve. Também gosto de todo-o-terreno e tenho um jipe para passear sempre que me apetece.

Nos tempos livres gosto de caçar e pescar. Adoro a pesca pelo silêncio que proporciona. Consigo desligar dos problemas enquanto estou ali. A caça dá-me adrenalina e também gosto muito do convívio. No final da caça juntamo-nos em almoçaradas que duram a tarde toda e esse convívio entre amigos é o melhor.

Faço de tudo um pouco e gosto de aprender. Desde 2010 sou encarregado geral na ACATIM (Associação Comunitária de Apoio à Terceira Idade de Mouriscas). Sinto-me realizado naquilo que faço. Todos os dias são diferentes e conheço todas as pessoas que lá estão e quais são os seus problemas. Brinco muito com todos, apesar de hoje estar um bocado condicionado por causa da pandemia.

Há idosos que vão à farmácia e só compram metade dos medicamentos porque não têm dinheiro para mais. As reformas são muito pequenas para os idosos viverem. Muitos ainda têm que pagar o lar e o dinheiro não chega para tudo. É uma realidade social que quem vive nos grandes centros urbanos desconhece.

Todos os autarcas deveriam ter formação quando entram para os cargos públicos. As administrativas da junta são excepcionais porque são elas que estão cá há vários anos e são uma grande ajuda. Já conhecem os processos e a ‘máquina’ está oleada por elas. Foram elas que me foram explicando as coisas do dia-a-dia. Candidatei-me porque a actual ministra da Agricultura, Maria do Céu Antunes, e o actual presidente da Câmara de Abrantes, Manuel Valamatos, me desafiaram várias vezes. Em 2017 aceitei porque considerei que poderia ajudar a melhorar e a desenvolver a minha terra.

Quem cozinha em casa sou eu. A minha filha mais nova adora que lhe faça lombinhos de salmão com mel e limão. Também faço bifes de atum grelhados com molho à algarvia. Vejo as receitas na televisão e consigo copiar adaptando à minha maneira. O meu prato preferido tem que ter carne.

Na juventude pratiquei natação, ginástica, corridas em patins e rugby no SL Benfica. Nas Mouriscas joguei futebol mas a bola tropeçava nos meus pés. Jogava à defesa mas nunca tive jeito para o futebol. Sou simpatizante do Benfica mas não ligo nenhuma a futebol. Quando começam a discutir futebol fujo dessas discussões.

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1478
    19-08-2020
    Capa Médio Tejo
    Edição nº 1478
    19-08-2020
    Capa Vale Tejo