Entrevista | 12-01-2021 12:30

Os mais velhos são sábios e precisam de ser tratados como tal

Os mais velhos são sábios e precisam de ser tratados como tal
IDENTIDADE PROFISSIONAL

Carla Salsas é directora técnica na Casa de São Pedro, em Alverca. Considera os mais velhos sábios que precisam de toda a nossa atenção, respeito e valorização. Já chorou quando perdeu utentes, é apaixonada por animais e gosta de ajudar o próximo e quem está em situação de maior vulnerabilidade.

Os idosos têm uma bagagem emocional riquíssima e uma experiência de vida assinalável, por isso precisam de ser tratados com respeito, admiração e carinho. A convicção é de Carla Salsas, 38 anos, directora técnica da unidade especializada em idosos com demências da Casa de São Pedro (CSP) de Alverca.

Carla é natural de São João da Talha, concelho de Loures, e trabalha na CSP há seis anos. Tem uma visão nipónica da forma como o cuidado deve ser dado aos idosos, assente na premissa de que estes são sábios da vida e que por isso precisam de ser tratados como tal. “Podíamos aprender com os japoneses e a forma como tratam os seus idosos. A minha função na CSP e de toda a minha equipa é dar-lhes vida aos anos que ainda têm pela frente. Os nossos utentes têm tanto para partilhar connosco que ainda podem ser activos na sociedade. Infelizmente nem sempre o mundo ocidental os vê dessa forma”, refere a O MIRANTE.

Desde tenra idade que Carla se sentiu atraída pelo apoio a pessoas mais velhas. Gosta de conhecer e perceber a realidade e as experiências de vida de cada um, tendo-se formado em psicologia clínica.

Em 2005 ingressou na Junta de Freguesia de Moscavide para realizar um estágio profissional, tendo estado ao serviço dessa autarquia durante oito anos. Quando as voltas da vida lhe apresentaram novos desafios profissionais decidiu abraçar a Casa de São Pedro de Alverca, onde se sente em casa. “Estar aqui faz-me sentir extremamente realizada em termos pessoais e profissionais. Vim trabalhar com a população que tanto admiro”, confessa.

Criar soluções no meio da adversidade e das limitações é o que a faz sentir gratificada. Carla Salsas é uma apaixonada por animais e em criança sonhava ser veterinária, ainda que confesse que hoje faz o que adora.

A unidade de demências, da qual é directora, tem 25 utentes e representa um grande desafio para toda a equipa. Lidando com idosos que sofrem de limitações do foro cognitivo e funcional, os técnicos dão-lhes instrumentos para potenciar a auto-estima, a valorização pessoal e o bem-estar. A demência acomete cada vez mais pessoas e cada vez mais cedo. Carla avisa que é preciso ter um olhar muito mais atento para esta patologia e para as doenças do foro mental.

“Temos de encontrar de uma forma criativa as soluções para os desafios que vamos encontrando no dia-a-dia, porque senão o nível de ansiedade, falta de noção do espaço e tempo pode ser uma constante”, explica a responsável, admitindo que já chorou por causa de alguns utentes que perdeu. Saber criar uma barreira emocional que separe o trabalho da vida pessoal é fundamental para que todos continuem a dar o seu melhor mesmo na maior das adversidades.

A ameaça da Covid-19

A Casa de São Pedro foi um dos lares do concelho de Vila Franca de Xira fortemente afectado por um surto de Covid-19. Morreram nove utentes que já estavam bastante debilitados antes de contraírem o vírus. A situação foi entretanto ultrapassada com muita perseverança, resiliência e sofrimento emocional.

“Continuamos a trabalhar com toda a garra para evitar um próximo surto. Ainda muito conseguimos fazer perante a adversidade. Todos lutámos com a máxima força para dar a melhor qualidade de vida e bem estar aos nossos utentes. Infelizmente as perdas que tivemos são incalculáveis”, lamenta Carla Salsas. Em todo o momento a equipa sentiu o apoio da comunidade e dos familiares dos idosos, que são praticamente uma segunda família. “Para se conhecer uma realidade é preciso estar dentro dela”, conclui.

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1491
    19-08-2020
    Capa Médio Tejo
    Edição nº 1491
    19-08-2020
    Capa Vale Tejo