Foto Galeria | 07-07-2019

Mural na antiga Escola Prática de Cavalaria de Santarém evoca Salgueiro Maia

1 / 16
Mural na antiga Escola Prática de Cavalaria de Santarém evoca Salgueiro Maia
2 / 16
Mural na antiga Escola Prática de Cavalaria de Santarém evoca Salgueiro Maia
3 / 16
Mural na antiga Escola Prática de Cavalaria de Santarém evoca Salgueiro Maia
4 / 16
Mural na antiga Escola Prática de Cavalaria de Santarém evoca Salgueiro Maia
5 / 16
Mural na antiga Escola Prática de Cavalaria de Santarém evoca Salgueiro Maia
6 / 16
Mural na antiga Escola Prática de Cavalaria de Santarém evoca Salgueiro Maia
7 / 16
Mural na antiga Escola Prática de Cavalaria de Santarém evoca Salgueiro Maia
8 / 16
Mural na antiga Escola Prática de Cavalaria de Santarém evoca Salgueiro Maia
9 / 16
Mural na antiga Escola Prática de Cavalaria de Santarém evoca Salgueiro Maia
10 / 16
Mural na antiga Escola Prática de Cavalaria de Santarém evoca Salgueiro Maia
11 / 16
Mural na antiga Escola Prática de Cavalaria de Santarém evoca Salgueiro Maia
12 / 16
Mural na antiga Escola Prática de Cavalaria de Santarém evoca Salgueiro Maia
13 / 16
Mural na antiga Escola Prática de Cavalaria de Santarém evoca Salgueiro Maia
14 / 16
Mural na antiga Escola Prática de Cavalaria de Santarém evoca Salgueiro Maia
15 / 16
Mural na antiga Escola Prática de Cavalaria de Santarém evoca Salgueiro Maia
16 / 16
Mural na antiga Escola Prática de Cavalaria de Santarém evoca Salgueiro Maia

Iniciativa está inserida no In. Santarém – Festival de Artes e Cultura.

A fachada da antiga Escola Prática de Cavalaria de Santarém conta desde este domingo, 7 de Julho, com uma intervenção artística urbana da autoria do artista João Samina. O trabalho, que decorria desde quinta-feira, 3 de Julho, e está inserido no In. Santarém – Festival de Artes e Cultura, foi realizado com o objectivo de homenagear Salgueiro Maia como rosto da coragem da Revolução dos Cravos.

O artista de 29 anos, natural de Setúbal, utilizou a técnica de stencil e restringiu-se às cores preto, vermelho e cinzento. Começou pela chaimite e pelo rosto de Salgueiro Maia na parte superior e inferior da fachada de nove metros de altura por quatro de largura. Depois pelas sombras em preto, pelas letras e números da matrícula da chaimite que o Capitão de Abril conduziu na Revolução dos Cravos e terminou com várias formas geométricas que sempre gostou de pautar nos seus trabalhos.

João Samina refere que não sentiu grandes dificuldades na realização do mural de arte urbana. O pior, admite, foi mesmo o sol e o facto de ter de subir e descer várias vezes o andaimes. O projecto, intitulado de “Bula”, foi totalmente criado pelo artista, que confessa que não demorou muito tempo para o criar.

Mais Notícias

    A carregar...