Foto Galeria | 14-11-2021

Utentes de Azambuja uniram-se para dizer basta contra a falta de médicos

1 / 12
Utentes de Azambuja uniram-se para dizer basta contra a falta de médicos
2 / 12
Utentes de Azambuja uniram-se para dizer basta contra a falta de médicos
3 / 12
Utentes de Azambuja uniram-se para dizer basta contra a falta de médicos
4 / 12
Utentes de Azambuja uniram-se para dizer basta contra a falta de médicos
5 / 12
Utentes de Azambuja uniram-se para dizer basta contra a falta de médicos
6 / 12
Utentes de Azambuja uniram-se para dizer basta contra a falta de médicos
7 / 12
Utentes de Azambuja uniram-se para dizer basta contra a falta de médicos
8 / 12
Utentes de Azambuja uniram-se para dizer basta contra a falta de médicos
9 / 12
Utentes de Azambuja uniram-se para dizer basta contra a falta de médicos
10 / 12
Utentes de Azambuja uniram-se para dizer basta contra a falta de médicos
11 / 12
Utentes de Azambuja uniram-se para dizer basta contra a falta de médicos
12 / 12
Utentes de Azambuja uniram-se para dizer basta contra a falta de médicos

Uma centena de utentes manifestou-se contra o mau funcionamento das unidades de saúde de Azambuja. Metade não tem médico, as chamadas ficam por atender e as receitas por passar. As preocupações foram levadas pelo presidente do município, Silvino Lúcio, ao Ministério da Saúde.

Os utentes do concelho de Azambuja estão revoltados com as más condições de funcionamento das unidades locais de saúde, onde a falta de médicos é um problema por resolver há anos. A juntar ao facto de metade não ter médico de família atribuído, as casas-de-banho estão avariadas há meses, os funcionários não atendem os telefones e “tratam os doentes de forma imprópria”. O alerta foi deixado por cerca de uma centena de utentes, que se manifestaram, no sábado, 13 de Novembro, em frente ao centro de saúde de Azambuja.

“Além de não termos um serviço de saúde digno os responsáveis da saúde estão a desprezar a população de Azambuja ao não darem a cara nem responderem aos nossos pedidos de reunião”, afirmou a O MIRANTE Armando Martins, porta-voz do movimento cívico Pela Saúde de Azambuja, que organizou o protesto e pôs a circular um abaixo assinado que numa semana reuniu três mil assinaturas e onde se exige que sejam encontradas soluções.

“As nossas preocupações não são de agora, temos vindo a constatar desde há muito tempo que há falta de médicos”, notou em declarações ao nosso jornal o presidente da Câmara de Azambuja, Silvino Lúcio, durante a manifestação onde também estiveram presentes outros membros do executivo municipal e presidentes de junta.

O autarca socialista deu a saber que as preocupações e queixas dos utentes foram transmitidas à ministra da Saúde, Marta Temido, numa reunião onde esteve presente juntamente com os restantes quatro presidentes de câmara da área de abrangência do Hospital Vila Franca de Xira e centros de saúde do Estuário do Tejo.

*Notícia completa na próxima edição semanal de O MIRANTE

Mais Notícias

    A carregar...
    Logo: Mirante TV
    mais vídeos
    mais fotogalerias

    Edição Semanal

    Edição nº 1537
    01-09-2021
    Capa Médio Tejo
    Edição nº 1537
    01-09-2021
    Capa Vale Tejo