Internacional | 08-09-2022 13:15

Igualdade de direitos entre mulheres e homens só será alcançada daqui a quase três séculos  

igualdade

Declaração da vice-presidente da ONU, tendo em conta o ritmo actual de progresso

A Organização das Nações Unidas (ONU) alertou hoje que, com o actual ritmo de progresso, levará 286 anos para que as mulheres tenham os mesmos direitos e protecções legais que os homens. 

“Pode levar até 286 anos, quase três séculos, para que as mulheres tenham os mesmos direitos e protecções legais que os homens”, salientou a vice-directora geral da ONU Mulheres, Anita Bhatia, durante uma conferência de imprensa que serviu para apresentar o relatório sobre a matéria. 

Durante o seu discurso, Bhatia insistiu que “ao ritmo actual de progresso, os Objectivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) do objectivo 5 [focado na igualdade de género] podem levar décadas, e até séculos, para se materializarem”. 

Além disso, sublinhou que “a paridade na força de trabalho não será alcançada nos próximos 140 anos” e que “é provável que demore 40 anos para alcançar a igualdade de representação nos parlamentos de todo o mundo”, caso não ocorram melhorias. 

O relatório apresenta que as mulheres perderam cerca de 800.000 milhões de dólares em rendimentos em 2020 devido à pandemia de covid-19 e que, apesar de “um aumento em algumas partes do mundo, a sua participação nos mercados de trabalho será menor em 2022 do que antes da pandemia”. 

O estudo estima também que até ao final deste ano haverá 383 milhões de mulheres e meninas a viverem abaixo do limiar da pobreza e 386 milhões de homens e meninos nessa situação. 

Anita Bhatia alertou ainda para a existência de vários factores “que agravam um panorama já sombrio para a igualdade de género”, como as consequências da pandemia de covid-19 ou a actual crise alimentar, financeira e de combustíveis. 

“A guerra em curso na Ucrânia está a piorar a insegurança alimentar, limitando a oferta de trigo, fertilizantes e combustível e impulsionando a inflação. Cerca de 36 países dependem da Rússia e da Ucrânia para mais de metade das suas importações de trigo, incluindo nações afectadas por conflitos como o Sudão, Síria e Iémen”, pode ler-se no relatório da ONU Mulheres. 

Mais Notícias

    A carregar...
    Logo: Mirante TV
    mais vídeos
    mais fotogalerias

    Edição Semanal

    Edição nº 1588
    01-09-2021
    Capa Médio Tejo
    Edição nº 1588
    01-09-2021
    Capa Vale Tejo