Nacional | 25-12-2022 15:19

Somos uma "sociedade de surdos" onde cada um tem a sua opinião e ninguém se quer ouvir

As diferenças são consideradas impedimentos e obstáculos, em vez de serem lugares de complementaridade, de crescimento e de encontro.

O cardeal José Tolentino de Mendonça falou hoje na existência de uma “sociedade de surdos”, numa “cultura muito polarizada” e defendeu a necessidade de se cuidar uns dos outros, na homilia da missa de Natal da Sé do Funchal.

“Hoje vivemos também numa cultura muito polarizada, às vezes até ao exagero. Cada um tem a sua opinião e ninguém se quer ouvir. Tornamo-nos uma sociedade de surdos, em que as diferenças parecem que são impedimentos, obstáculos, em vez de serem lugares de complementaridade, de crescimento e de encontro”, declarou Tolentino de Mendonça na homilia.

O cardeal madeirense defendeu que são precisas sociedades compostas por cidadãos que tenham “curiosidade pelos outros, uma sã abertura uns aos outros, mesmo pensando coisas muito diferentes”.

Tolentino de Mendonça, nomeado este ano pelo Papa Francisco prefeito do Dicastério para a Cultura e a Educação, referiu também as estatísticas dos suicídios em Portugal, considerando que “é um sinal” que não pode ser ignorado.

“É um grito. Há irmãs e irmãos nossos a viver sofrimentos, a achar que já não são capazes de 'dar a volta', de ter uma segunda oportunidade na vida e têm a tentação de pôr fim à sua história. Queridos irmãos, isto não pode acontecer”, sublinhou.

“Eu penso que nós precisamos todos […] de dar a mão uns aos outros, de nos agarrarmos, porque todos precisamos. O Menino é frágil para nos lembrar que todos somos frágeis, todos somos vulneráveis”, acrescentou o cardeal.

Mais Notícias

    A carregar...
    Logo: Mirante TV
    mais vídeos
    mais fotogalerias

    Edição Semanal

    Edição nº 1597
    01-02-2023
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1597
    01-02-2023
    Capa Médio Tejo