Nacional | 29-12-2022 17:14

Políticos não avançam mais na lei do tabaco por interferência da indústria

Políticos não avançam mais na lei do tabaco por interferência da indústria

Coordenadora da Comissão de Tabagismo da Sociedade Portuguesa de Pneumologia diz que não fazem sentido excepções que permitem fumar em espaços fechados

A pneumologista Sofia Ravara acusou hoje os políticos de falharem na implementação das medidas defendidas pelos portugueses sobre proibição de fumar em espaços públicos "por causa da interferência da indústria” do tabaco.
A coordenadora da Comissão de Tabagismo da Sociedade Portuguesa de Pneumologia falava à agência Lusa a propósito da entrada em vigor em 01 de Janeiro de novas regras para os locais fechados onde ainda é permitido fumar, como restaurantes, bares e discotecas, que passam a ser obrigados a ter uma área igual ou superior a 100 m2 e pé direito mínimo de três metros.
“Ter a persistência de salas em espaços fechados é completamente contra a evidência (prova) de saúde pública e também de qualidade do ar interior e de protecção da saúde dos trabalhadores e dos cidadãos, que são os deveres do Estado, dos governos e dos parlamentares. Para isso é que eles são eleitos”, defendeu.
Sofia Ravara lembrou um inquérito realizado em 2012, que é sobreponível com a opinião de outros inquéritos realizados periodicamente pela Comissão Europeia, segundo o qual 86% dos portugueses defendem a proibição de fumar em espaços públicos sem excepções, sendo que só no universo de fumadores mais de dois terços concordam com esta medida.
"Isto são as políticas que os portugueses querem e que os políticos têm falhado apenas pela interferência da indústria, como aliás a OMS [Organização Mundial da Saúde] e o relatório da ONG europeia [Smoke Free Partnership], que trabalha a implementação das políticas de controle do tabagismo a nível da União Europeia claramente, destaca”, salientou.
Para a pneumologista, as excepções previstas na lei “só vão beneficiar a indústria na persistência do consumo e nos interesses comerciais à custa da saúde dos portugueses e à custa da economia”.
Isto porque os impostos do tabaco, disse, “não pagam a doença, a morte prematura e, inclusivamente, a diminuição da produtividade e os efeitos na economia, aos quais temos que juntar a devastação ambiental enorme que o tabaco provoca”.
Segundo Sofia Ravara, a exposição ao fumo do tabaco provoca as mesmas doenças do consumo activo, nomeadamente doença cardiovascular, cancro, doença respiratória crónica, infecções, tuberculose, pneumonia, covid e outras doenças transmissíveis, que podem ser prevenidas com a eliminação do fumo passivo nos locais públicos interiores e exteriores.
“Nós estamos ainda a discutir a proibição de fumar nos locais públicos.O que devíamos estar a discutir era expandir para os espaços exteriores”, disse, apontando os terraços, esplanadas da restauração e dos edifícios públicos, eventos desportivos, praias, estádios, parques e infantis e parques nacionais.

Mais Notícias

    A carregar...
    Logo: Mirante TV
    mais vídeos
    mais fotogalerias

    Edição Semanal

    Edição nº 1596
    11-01-2023
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1596
    25-01-2023
    Capa Médio Tejo