Nacional | 01-03-2024 12:57

Detectados indícios de interferência externa nas eleições em Portugal

Encontrados dois anúncios ‘on-line’. Um acusando o PS de corrupção e outro lembrando os cortes do PSD durante a ‘troika’.

Investigadores do MediaLab do ISCTE detectaram, pela primeira vez, “indícios de interferência externa nas eleições em Portugal”, com anúncios ‘on-line’, um acusando o PS de corrupção e outro lembrando os cortes do PSD durante a ‘troika’.

Estes indícios foram recolhidos pela equipa do MediaLab do Instituto Superior de Ciências do Trabalho e a Empresa (ISCTE-IUL) durante uma pesquisa sobre as eleições nas redes sociais e os processos de desinformação na fase pré-eleitoral para as legislativas de 10 de Março, em parceria com a agência Lusa.

Até hoje, nunca se tinha detectado qualquer indício claro de interferência externa direta em eleições portuguesas, segundo a equipa de investigadores do MediaLab, coordenada por Gustavo Cardoso e José Moreno. Esta equipa acompanha a comunicação sobre eleições nas redes e nos media sociais em Portugal desde 2019.

A investigação do MediaLab centrou-se em dois casos – um do PS e outro do PSD.

O primeiro envolve um canal do Youtube, “Bolsonaristas em Portugal”, um anúncio pago através da rede Google, com um vídeo de oito segundos, distribuído em vários ‘sites’ portugueses, incluindo páginas ‘on-line’ de jornais. Começou a circular em 22 de Fevereiro, mas, entretanto, deixou de estar disponível.

Segundo o MediaLab, o anúncio acusava dirigentes do PS de corrupção, era ilustrado com fotografias de José Sócrates e António Costa e com títulos descontextualizados dos jornais Eco e Público. “Uma estratégia habitual na produção de conteúdos desinformativos”, dizem os investigadores.

O segundo caso envolve também um vídeo de campanha, desta vez não identificado, detectado por vários utilizadores das redes X (ex-Twitter) e Reddit, e que também circulou no Youtube.

É um vídeo, com “uma produção cuidada”, de acordo com os investigadores, que recorda “os cortes do tempo da ‘troika e os atribui ao PSD”, da autoria de um canal chamado “Jovens por Portugal” e foi exibido, antes de ser retirado, 135 mil vezes. Tanto o vídeo como o canal do Youtube encontram-se suspensos, segundo o MediaLab.

Uma porta-voz da Google citada pelos investigadores afirmou que, quando os anúncios não cumprem as regras definidas pela plataforma, “são tomadas medidas para os remover”. E as regras da definem que os anúncios “só poderão ser apresentados se o anunciante for verificado pela Google”.

Mais Notícias

    A carregar...
    Logo: Mirante TV
    mais vídeos
    mais fotogalerias

    Edição Semanal

    Edição nº 1660
    17-04-2024
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1660
    17-04-2024
    Capa Lezíria/Médio Tejo