O MIRANTE | 20-11-2020 15:00

“Na sociedade de consumo não se olha a meios para atingir certos fins e muito do que se produz é supérfluo

“Na sociedade de consumo não se olha a meios para atingir certos fins e muito do que se produz é supérfluo
ESPECIAL ANIVERSÁRIO
Carlos Coutinho - Presidente da Câmara Municipal de Benavente

Carlos Coutinho - Presidente da Câmara Municipal de Benavente.

No município de Benavente um dos problemas ambientais sérios é o tráfego intenso na Estrada Nacional 118 com muitos veículos pesados. Detectamos situações complicadas em termos de qualidade do ar e de elevado nível de ruído nos centros urbanos de Benavente e Samora Correia.

No município de Benavente concluímos a substituição integral de todas as luminárias que passaram de vapor de mercúrio para iluminação LED. Conseguimos assim uma poupança de energia acima dos 50%, abrangendo também os nossos edifícios, concretamente aqueles que têm maior consumo energético como são as piscinas municipais em que reduzimos também os consumos acima dos 50% .

Numa sociedade de consumo não se olha a meios para atingir certos fins. Embora exista actualmente uma maior consciencialização, o ambiente continua arredado para um plano secundário em relação à economia. Tem acontecido no mundo este cenário como o abate de florestas, o desequilíbrio nos mares, o gelo e muitas situações que surgem por arrasto e em consequência de uma actividade económica agressiva.

Temos assistido nas últimas décadas ao desenvolvimento de uma agricultura intensiva com grande uso de fertilizantes e pesticidas. Nem sempre há uma correcta gestão dos recursos hídricos. Estes são desafios que se colocam. Há que encontrar outras formas de podermos proporcionar os bens essenciais à população, alimentares ou outros, mantendo os equilíbrios. Muito do que é produzido actualmente supérfluos e uma grande parte é destruída.

Como cidadão tenho a preocupação de racionar a água e de separar os lixos. Nem sempre consigo circular devagar, para poupar combustível e poluir menos, devido aos compromissos enquanto presidente da câmara mas, por norma, circulo a velocidades reduzidas porque a maioria das deslocações são em percursos urbanos e respeito os limites de velocidade.

As alterações climáticas induzem em todos os territórios efeitos nefastos muito fortes. Nota-se pelo desequilíbrio das estações do ano em que temos elevadas precipitações ou calor extremo. A natureza comporta-se de uma forma completamente diferente. O florir das árvores, a produção dos frutos, tudo está alterado.

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1483
    19-08-2020
    Capa Médio Tejo
    Edição nº 1483
    19-08-2020
    Capa Vale Tejo