Opinião | 13-09-2020 10:00

Os CTT são uma empresa que nos envergonha

A administração dos CTT não tem rosto na relação com os seus clientes.

A administração dos CTT não tem rosto na relação com os seus clientes. Mais grave ainda: a administraçãodos CTT não tem estruturasintermédias que falem com os clientes, que dêemjustificações formais sobre o mau serviço que prestam, que eventualmentese disponham a devolvero dinheiropelo serviço que cobraram e que não foi realizado, entre tantos casos que são de bradar aos céuspara quem não tem outro remédio senão trabalhar com os CTT.

O MIRANTE é um dos grandes clientes dos Correios. Desde a privatizaçãoque nos queixamosdos serviços. A nossa políticade empresa, a exemplo da maioria da imprensa em Portugal, foi sempre seguida confiando no bom trabalho dos Correios para a fidelizaçãodos assinantes. Quando os CTT eram empresa pública tínhamossempre alguém do outrolado a dar a cara e a tentar remediar as situaçõesmais complicadas. Desde que a empresa foi privatizada a relação é... tu precisas, então põe-te no teu lugar: paga e não bufes. Quem achar a linguagemdemasiado chula não entendeo que é editar um jornal para ser distribuídopelos CTT e, três dias depois, saber que o jornal ainda não chegou a casa dos assinantes quando há tão poucos anos chegava no dia a seguir.

Só a cobrar a nova administração é severa. Um dia de atraso no pagamento da factura e carta na hora a informar que o contrato pode ser suspenso e que vão ser lançados os juros do atraso de um dia.

O leitor está admirado com este tratamento de uma grande empresa na relação com os seus clientes? É bem pior do que aqui vai descrito. O Governo e os autarcasde todo o país sabem desta pouca vergonha. Mas veremos se o Governode António Costa tem coragem de actuarem função dos números vergonhosos que a Anacom acaba de divulgar sobre a qualidade do trabalho dos CTT.

CTT falham serviço público de qualidade há 4 anos seguidos

A empresa que gere o serviço público de correios há quatro anos que falha os indicadores de qualidade. A mais recente avaliação da Autoridade Nacional de Comunicações comprova o mau serviço dos CTT, que não cumpriram 23 dos 24 indicadores, sobressaindo os atrasos na distribuição de correspondência. Trabalhadores acusam CTT de se aproveitar da pandemia para justificar incumprimentos.

Em 2019 os CTT só cumpriram um dos 24 indicadores de qualidade postal universal. “Apenas cumpriram um dos 22 indicadores relativos a demoras de encaminhamento de envios postais e incumpriram os dois indicadores relativos ao tempo em fila de espera nos estabelecimentos postais”. As conclusões constam de uma avaliação da Autoridade Nacional de Comunicações (Anacom). Os Correios são já reincidentes nas falhas. Segundo a autoridade, este é o quarto ano consecutivo em que a empresa que explora o serviço público não cumpre a totalidade dos indicadores.

No ano passado cerca de 50 milhões de objectos postais não respeitaram o padrão de qualidade de serviço no que se refere à qualidade de entrega (três dias úteis para o correio normal) e, sensivelmente, oito milhões não terão cumprido a meta de fiabilidade (cinco dias úteis no caso do correio normal).

A 17 de Julho, a comissão de trabalhadores dos CTT acusou a empresa de não cumprir nenhum indicador de qualidade previsto no contrato de concessão, nomeadamente a distribuição nacional domiciliária, e de aproveitar a pandemia para justificar incumprimentos. No mesmo dia, os CTT repudiaram as declarações e acusaram a comissão de trabalhadores de proferir, no parlamento, declarações “genericamente infundadas e frequentemente falsas” sobre o serviço de distribuição.

Anacom determina redução do preço do serviço postal

Com base no mau serviço dos Correios, no final de Agosto a Anacom determinou a redução do preço no serviço postal universal. “A Anacom decidiu aplicar o mecanismo de compensação previsto na lei (...) que consiste na redução de preços que deverá beneficiar a universalidade dos utilizadores daquele serviço”, avançou, em comunicado, o regulador. Neste sentido, a variação máxima de preços permitida para este ano no que se refere aos serviços de correspondência, jornais e encomendas, “é deduzida em um ponto percentual” e os preços dos envios de correio normal em quantidade devem descer 0,31%.

“Daqui resulta que, tendo em conta que de acordo com as regras de actualização de preços a variação máxima admissível em 2020 para o referido cabaz de serviços era de 1,41%, a variação média ponderada dos preços dos serviços de correspondências, jornais e encomendas não poderá ultrapassar os 0,41%”, explicou a Anacom.

De acordo com a autoridade liderada por João Cadete de Matos, a dedução de 1% é a máxima possível por aplicação das regras fixadas em 2018.

Já no caso dos indicadores de qualidade do serviço aplicáveis ao correio normal em quantidade, a dedução dos preços é de 0,31%, sendo que a dedução máxima (0,5%) aplica-se quando os valores realizados nos indicadores ficam, pelo menos, dois pontos percentuais abaixo dos objetivos de desempenho.

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1473
    19-08-2020
    Capa Médio Tejo
    Edição nº 1473
    19-08-2020
    Capa Vale Tejo