Opinião | 23-12-2022 09:54

A corrupção cá e lá

Para aqueles portugueses que se agarraram ao escândalo de corrupção que atingiu o Parlamento Europeu para demonstrar que a corrupção não é exclusiva dos políticos e das instituições portuguesas, era importante esclarecê-los que o que define um povo digno e um povo indigno, para usar a expressão de Platão, não é o facto de haver corruptos, mas a forma como os povos reagem à corrupção.

Para aqueles portugueses que estão sempre a fazer apelo ao legislador para que legisle cada vez mais, como forma de resolver os problemas deste país, designadamente da corrupção, recordo aqui o que disse Disraeli a este propósito: “ Quando os homens são puros, as leis são desnecessárias; quando são corruptos as leis são inúteis ”.
À mesma conclusão também já tinha chegado Platão há muitos milhares de anos: " Um povo digno não carece de leis que lhe digam como agir responsavelmente; ao passo que um povo indigno encontrará sempre maneira de contornar as leis. "
E foi também seguindo o mesmo raciocínio e baseado na sua experiência que Tácito chegou à seguinte conclusão: " Quanto mais corrupta é a República maior é o número das leis. " Por alguma razão, Portugal é o país europeu com mais leis por m 2.
E para aqueles portugueses que se agarraram ao escândalo de corrupção que atingiu o Parlamento Europeu para demonstrar que a corrupção não é exclusiva dos políticos e das instituições portuguesas, era importante esclarecê-los que o que define um povo digno e um povo indigno, para usar a expressão de Platão, não é o facto de haver corruptos, mas a forma como os povos reagem à corrupção.
Na União Europeia, a vice-presidente apresentou, de imediato, a demissão, foi demitida de todos os cargos, inclusive do seu partido, ficou em prisão preventiva e a Presidente do Parlamento Europeu apresentou um conjunto de medidas para evitar que um caso semelhante se volte a repetir.
Em Portugal, recorre-se ao jargão “ à política ao que é da política e à justiça ao que é da justiça ” para manter os suspeitos de corrupção nos cargos ou para os mudar para cargos mais bem remunerados e com menos visibilidade, permitindo que os processos se arrastem até à eternidade, enrolados numa teia legislativa protectora dos corruptos que eles próprios teceram.

Santana-Maia Leonardo

Mais Notícias

    A carregar...
    Logo: Mirante TV
    mais vídeos
    mais fotogalerias

    Edição Semanal

    Edição nº 1597
    01-02-2023
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1597
    01-02-2023
    Capa Médio Tejo