Opinião | 24-05-2024 11:46

Imigração e SEF

A aniquilação do SEF conduziu, directamente, quer à diminuição substantiva das acções de controlo de imigrantes nos locais de trabalho, quer à eficácia daquelas poucas realizadas ( : ). Não quero acreditar, mas a extinção do SEF teria sido uma medida consciente e planeada para reduzir o controlo de trabalhadores imigrantes.

A extinção do SEF foi um dos maiores actos de incompetência política e administrativa a que assisti. Como acto de cristã benevolência, tenho mesmo de acreditar que foi a incompetência que conduziu todo esse processo, caso contrário, a justificação para aquela extinção teria de ser ainda mais desconcertante.

Eliminar um organismo público devido a problemas com os seus funcionários, é um argumento risível – que nos quer fazer passar por imbecis -, cuja aplicação generalizada conduziria ao extermínio de toda a administração pública.

A aniquilação do SEF conduziu, directamente, quer à diminuição substantiva das acções de controlo de imigrantes nos locais de trabalho, quer à eficácia daquelas poucas realizadas.

Explico. O SEF possuía um saber acumulado sobre tudo o que estava relacionado com a imigração, não apenas nos processos de legalização mas, sobretudo, nos processos de controlo e policiamento de todo esse contexto. E foi tudo isso que se perdeu dramaticamente.

A título de exemplo, o SEF realizava muitas acções inspectivas nos locais de trabalho em conjunto com a ACT. Como a ACT pode entrar livremente nos locais de trabalho, esse facto facilitava o acesso aos mesmos por aquele órgão de polícia criminal. Por outro lado, perante trabalhadores estrangeiros indocumentados, ou com documentos duvidosos, o SEF assegurava à ACT a correcta identificação desses trabalhadores: quando esses documentos não existiam, ou se deslocava às respectivas residências para recolha da documentação existente, ou recorria às suas bases de dados. Desse modo, o SEF conseguia identificar trabalhadores legais, ilegais, criminosos e até aqueles procurados pela Interpol e Europol.

A ACT conseguia consolidar as suas contraordenações porque garantia o rigor na identificação dos trabalhadores, assegurando assim os direitos laborais dos mesmos.

Combatia-se eficazmente o tráfico de seres humanos.

Com a extinção do SEF, a ACT ficou às aranhas quando agora encontra trabalhadores estrangeiros indocumentados exteriores ao espaço Schengen, não sabendo, cada inspector, quem é que está defronte de si. Como tal, se não se conseguem identificar correctamente os trabalhadores, também não se conseguem garantir os seus direitos laborais.

A Polícia Judiciária, que intensificou as acções contra o tráfico de seres humanos em imigrantes, não pode, nem consegue assegurar nas suas acções, os direitos laborais dos trabalhadores encontrados. Obviamente que pela sua natureza, também não pode sair com a ACT para acções no terreno. Já a GNR e a PSP, além de possuírem muitas outras competências, vão demorar anos e anos até conseguirem atingir o nível de sapiência de que o SEF era detentor.

Resultado? Uma imigração descontrolada que é inegável porque visível, a qual, entre outras, é resultado desta medida em particular.

A extinção do SEF reduziu a eficácia das acções de controlo de imigrantes nos locais de trabalho e quem disser o contrário estará a mentir.

Quem ganhou com todos estes disparates? Bom, à primeira vista, muitos sectores de actividade que já não tinham como encontrar mão-de-obra para as suas empresas, como a agricultura, a restauração e a construção civil.

Portanto, mais uma chocante incompetência do governo dos Drs. Costa e Cabrita.

Ah, é verdade, qual seria a alternativa à incompetência? Não quero acreditar, mas a extinção do SEF teria sido uma medida consciente e planeada para reduzir o controlo de trabalhadores imigrantes e, desse modo, assegurar a mão-de-obra para todos aqueles sectores já referidos.

Bom, mas fiquemo-nos apenas pela incompetência…


P.N.Pimenta Braz

Mais Notícias

    A carregar...
    Logo: Mirante TV
    mais vídeos
    mais fotogalerias

    Edição Semanal

    Edição nº 1668
    12-06-2024
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1668
    12-06-2024
    Capa Lezíria/Médio Tejo