Política | 14-09-2023 12:52

Obras do tempo de Moita Flores na antiga EPC custam mais um milhão à Câmara de Santarém

Obras do tempo de Moita Flores na antiga EPC custam mais um milhão à Câmara de Santarém

A Câmara de Santarém foi condenada pelo Supremo Tribunal de Justiça a pagar ao BCP quase um milhão de euros devido ao incumprimento de dois contratos de factoring assinados por Moita Flores há mais de uma dúzia de anos.

A Câmara de Santarém foi condenada pelo Supremo Tribunal de Justiça a pagar uma quantia de 662.097 euros ao BCP, acrescida de juros de mora que elevam o encargo até próximo de um milhão de euros, no âmbito do polémico caso das obras na antiga Escola Prática de Cavalaria (EPC) em 2009, no tempo em que Moita Flores dirigia o município. Ao todo, a autarquia vai pagar ao BCP, faseadamente, 924.230 euros, tendo sido perdoados 25% dos juros (cerca de 75 mil euros) após acordo negociado com a instituição bancária. A primeira prestação foi liquidada no dia 31 de Agosto.

Esta condenação deve-se ao incumprimento de dois contratos de ‘factoring’ assinados por Moita Flores que obrigavam o município a pagar ao BCP duas facturas, de 300 mil e de 200 mil euros. Nesse contexto, Moita Flores chegou a ser acusado de dois crimes de participação económica em negócio por ter assumido despesa no valor de 500 mil euros “sem contrato que a justificasse e sem a intervenção do Tribunal de Contas”, crimes que o tribunal, noutro processo, deu como não provados.

Na origem de todo este imbróglio estiveram ajustes directos em contratos realizados com a empresa A. Machado & Filhos, escolhida em 2009 pela Câmara de Santarém para adaptar um dos edifícios da antiga EPC para acolher um Serviço de Atendimento à Gripe, sem conclusão dos procedimentos legais. A obra foi depois suspensa por se ter verificado não existir pandemia, com o espaço a ser adaptado para acolher serviços municipais.

A construtora acabou por fazer essa adaptação e outras intervenções noutros edifícios da ex-EPC, obras que, segundo a acusação do Ministério Público, foram contratadas verbalmente e realizadas sem qualquer intervenção ou acompanhamento por parte dos técnicos da autarquia, à excepção do antigo director do Departamento de Urbanismo da Câmara de Santarém, António Duarte.

Moita Flores foi então também acusado de dois crimes de participação económica em negócio por ter assinado dois contratos de ‘factoring’, obrigando o município a pagar ao BCP duas facturas, de 300 mil e de 200 mil euros. Compromisso que não foi cumprido e que levou ao processo que agora chegou ao final.


Notícia completa na edição semanal de O MIRANTE.

Mais Notícias

    A carregar...
    Logo: Mirante TV
    mais vídeos
    mais fotogalerias

    Edição Semanal

    Edição nº 1672
    10-07-2024
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1672
    10-07-2024
    Capa Lezíria/Médio Tejo