uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
31 anos do jornal o Mirante
O Teatro Fantasia, será homenageado durante o FITIJ

O drama do teatro em Santarém

Sexta edição do Fitij arranca na segunda-feira com menos apoios e poucas salas em condições

São dois grupos amadores que põem em cena o Festival Internacional de Teatro para a Infância e Juventude de Santarém. A falta de um espaço digno para o teatro na cidade e a escassez de apoios não chega para impedir que a sexta edição se cumpra. De dois em dois anos o Fitij traz a magia aos mais novos e faz sonhar os mais velhos. É por carolice e amor à arte que o teatro em Santarém pula e avança.

Edição de 20.08.2003 | Cultura e Lazer
O cenário da organização do Festival Internacional de Teatro para a Infância e Juventude de Santarém (Fitij) de 2003 foi dramático. “Vimos o festival à porta sem saber com que apoios poderíamos contar”, explica Sofia Vieira, 23 anos, uma das dirigentes do Teatrinho, o grupo que organiza o evento em colaboração com outro grupo de Santarém, o Veto Teatro Oficina.Os apoios financeiros diminuíram e os espaços dignos para os espectáculos em Santarém continuam a não existir, mas mesmo assim dois grupos amadores vão trazer à cidade a sexta edição do festival de 25 a 31 de Agosto.Os cerca de 30 elementos do Teatrinho de Santarém e do Veto Teatro Oficina trabalham com dedicação durante cerca de seis meses para pôr em cena a grande festa do teatro, mesmo quando as ajudas escasseiam. “Os patrocínios não são muitos este ano porque a situação do país não é fácil”, reconhece Sofia Vieira. Os dois patrocinadores do festival - o Instituto Português da Juventude e a Câmara de Santarém, que se substituem ao Ministério da Cultura e ajudam com 11 mil euros – são apoios preciosos que permitem a sobrevivência do festival.As escassas ajudas financeiras que vão conseguindo chegam demasiado tarde. “Os apoios deveriam ser um pouquinho antes e durante o festival. E isso não acontece. É compreensível que exijam os relatórios finais, mas somos dois grupos amadores e torna-se difícil lidar com tanta coisa e com tão poucos apoios financeiros”.A demora na chegada dos apoios atrasa por sua vez os pagamentos que a organização tem que efectuar. O que só é compreendido porque o Fitij já tem muitos amigos na cidade. A agravar as dificuldades de organização está a falta de salas de teatro. Este ano o festival limita-se às instalações do Círculo Cultural Scalabitano, sede do IPJ e aos claustros do Lar de Santo António em Santarém, mas a lotação dos espaços também é uma condicionante.“Temos muita pena de não fazer no Rosa Damasceno. Temos muita pena de não fazer no Sá da Bandeira, mas esperemos que na próxima edição já seja possível. A esperança é a última a morrer”, confessa. Na última edição, o Fitij trouxe a Santarém 10 grupos de diferentes países, mas as dificuldades já fizeram diminuir o número de participantes estrangeiros para metade. “Esperamos que apesar de contarmos com poucos grupos tenhamos as salas cheias. Este ano temos algum receio por ser em Agosto, mas acreditamos que o público vai continuar a aderir”.O Fitij, que costuma decorrer em Setembro, realiza-se este ano na última semana de Agosto para não coincidir com o Festival Internacional de Folclore.Para acolher os cerca de 30 elementos dos grupos estrangeiros a organização aguarda ainda uma resposta da PSP e Estação Zootécnica, uma vez que a Pousada da Juventude está encerrada (ver texto nesta edição). TRABALHARPOR CAROLICEA organização do festival implica muita burocracia e muitas vezes é difícil marcar uma data para o evento. “Os dois grupos são constituídos por muita gente jovem que ainda estuda, embora alguns já trabalhem, e é preciso conciliar disponibilidades”. Nos dois grupos é fácil encontrar pessoas que dão tudo pelo teatro. São jovens amantes do teatro e do contacto entre pessoas de outros países. “Troca-se cultura, trocam-se amizades que duram para o resto da vida. Às vezes regressa-se, não por iniciativas de teatro, mas por amizades que se criaram”, descreve Sofia Vieira, que faz teatro desde os quatro anos.É por carolice que o teatro em Santarém continua. A organização acredita que se as crianças e jovens forem ver um espectáculo vão enraizar esse hábito essencial. A falta de espaços é, para Sofia Vieira, a explicação para não se realizarem espectáculos teatrais com mais regularidade em Santarém. O Instituto Português da Juventude está muitas vezes ocupado e o Círculo Cultural tem a sua actividade. “Nem todas as cidades podem dizer que têm cinco grupos de teatro. As salas não permitem que esses grupos tenham actividade constante. Se tivéssemos mais salas isso seria possível”, observa. O grupo espera que o Sá da Bandeira seja recuperado e “entregue” aos grupos da cidade para dar vida à capital do distrito.O Teatrinho de Santarém, um grupo com 23 anos vocacionado para crianças e jovens, arrancou com o Festival em 1991, inspirado num dos intercâmbios no estrangeiro. Começaram com um pequeno festival com duas companhias estrangeiras. Dois anos depois o Veto Teatro Oficina, com quase 35 anos de existência, associou-se à grande festa do teatro. “O objectivo é mostrar à cidade que existem grupos de teatro que querem fazer cada vez mais por Santarém”.Ana Santiago
O Teatro Fantasia, será homenageado durante o FITIJ

Mais Notícias

    A carregar...