uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
31 anos do jornal o Mirante

Telecomunicações mais caras em Portugal que na Europa

Diz o presidente da Autoridade da Concorrência
Edição de 21.01.2004 | Economia
Alguns segmentos das telecomunicações são 30 a 40 por cento mais caros em Portugal do que em alguns países da Europa, devido à posição dominante da PT, disse o presidente da Autoridade da Concorrência em entrevista publicada na segunda-feira no Diário Económico.Abel Mateus esclareceu que há falta de concorrência no sector das telecomunicações e que há estudos que “mostram que os custos (em Portugal) em muitos segmentos das telecomunicações são cerca de 30 a 40 por cento superiores aos mais eficientes na Europa”.Na entrevista, o presidente da Autoridade de Concorrência (AC) adiantou que o organismo que dirige recebeu quatro queixas contra a Portugal Telecom (PT) por a empresa não abrir mão das redes fixa e de cabo.O presidente da AC acrescentou também que não sabe como vai “obrigar a PT a vender os seus activos”. “Se do ponto de vista legal não for possível, é evidente que a única solução que resta é a política” defendeu.Abel Mateus acrescentou que na Europa se está a assistir cada vez mais a processos em que própria Comissão tem intervindo, obrigando as empresas a venderem parte dos seus activos para criar mais concorrência no sector.Na entrevista ao Diário Económico, Abel Mateus disse ainda que além do sector das telecomunicações, a AC está a realizar estudos sobre o sector da energia e sobre o mercado da compra de madeira.Apesar de ainda não estarem concluídos, os estudos mostram já que “é muito importante criar condições concorrenciais estruturais para se gerar o preço mais baixo possível para os consumidores e para que o sector funcione de forma mais eficiente”, adiantou.Abel Mateus justificou ainda o estudo sobre o mercado de energia pela necessidade de se elaborar uma análise concorrência do mercado na sequência da decisão do Governo de reestruturar o sector.Lusa

Mais Notícias

    A carregar...