uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
31 anos do jornal o Mirante

Encerramento da escola de São Facundo provoca discussão na Assembleia de Abrantes

Edição de 26.09.2012 | Sociedade
Os intervenientes das diversas bancadas políticas na Assembleia Municipal de Abrantes esgrimiram argumentos durante mais de uma hora sobre a forma como decorreu o processo que conduziu ao encerramento da Escola Básica de São Facundo, em Abrantes. Aconteceu na sexta-feira, 21 de Setembro, na presença dos pais de alguns alunos da escola que foram assistir à reunião. O presidente da Junta de Freguesia de São Facundo, o independente Manuel Campos, abriu as hostes dizendo que a junta nunca foi ouvida no processo. Disse ainda nada ter contra a população de Bemposta, onde está localizado o centro escolar para onde transitaram os 21 alunos da sua freguesia, mas que como autarca deve lutar para defender o interesse da sua população. “Podemos perder a guerra mas ganhamos a batalha do respeito e da dignidade”, disse. Mais incisivo, João Viana, dos ICA, afirmou que a escola não seria encerrada “caso o presidente de junta eleito fosse da mesma maioria política que gere a autarquia”, o Partido Socialista. Esta afirmação foi considerada “ofensiva” pela deputada socialista Fátima Chambel que evocou “o interesse superior das crianças” para que a transferência se concretizasse. Já Fátima Ruivo, líder da bancada do PSD disse que o processo “não foi transparente” questionando se a presidente da câmara fez tudo o que estava ao seu alcance para ir ao encontro dos “anseios legítimos” daquela comunidade. “Estava na sua mão! Foi efectivamente a senhora presidente que decidiu o encerramento da escola de S. Facundo”, acusou. A deputada social-democrata chegou a dizer que o processo foi conduzido “com vetos de gaveta, com informação deturpada, com telefonemas e utilização do cargo que lhe foi confiado”. A presidente da câmara, Maria do Céu Albuquerque (PS), refutou as acusações de falta de transparência e de partidarismo. “A acção deste executivo pauta-se pelo rigor e seriedade e acima de tudo, neste processo, foi tido em conta o superior interesse das crianças”, atestou.

Mais Notícias

    A carregar...