TrimNW é uma empresa de Santarém à conquista do mercado europeu

TrimNW é uma empresa de Santarém à conquista do mercado europeu

TrimNW recebeu o Galardão Empresa Com Maior Crescimento. “Somos pessoas muito pragmáticas e focadas na produção. As decisões são tomadas em conjunto e não somos nada impulsivos. Os negócios fazem-se desde que a gente corra atrás deles”.

A TrimNW, sedeada em Santarém, é uma empresa que produz materiais para o sector automóvel e exporta 99 por cento da sua produção. É distinguida este ano com o Galardão Empresa com Maior Crescimento nos galardões Empresa do Ano de
O MIRANTE e NERSANT.
A TrimNW foi criada em Março de 2015 na sequência do fecho da antiga Ipetex do Cartaxo, que abriu insolvência nesse ano. Vários trabalhadores acreditaram na mais-valia de uma das áreas de negócio – a do sector automóvel – e avançaram por sua conta e risco, sendo bem sucedidos.
O crescimento médio anual da TrimNW tem sido de 4 a 5 por cento ao ano e a empresa facturou no último ano 2,7 milhões de euros. A ambição do General Manager e CEO da empresa, Rui Lopes, é duplicar a facturação no espaço de dois anos.
O negócio da empresa, que está instalada na Quinta do Mocho, em Santarém, foca-se em duas áreas. A produção de não-tecido ligeiro, um produto semelhante a tecido e peças moldáveis têxteis para interiores de viaturas, em particular de microcarros.
O não-tecido, que representa 70 por cento das vendas, tem a vantagem de não ter fiação nem tecelagem, sendo por isso mais barato. É muito semelhante a um tecido vulgar e é usado, por exemplo, para produzir placas de insonorização para automóveis, que são colocados no interior das portas, bagageiras ou tejadilhos. O ano passado a empresa produziu 20 milhões de metros quadrados daquele produto. Os restantes 30 por cento da facturação são conseguidos através do fabrico das peças têxteis moldáveis.
A empresa produz para nichos de mercado e tem vários clientes importantes, incluindo marcas de automóveis de luxo do Reino Unido, para quem chega a produzir séries limitadas de até 10 mil peças por ano.
A experiência e conhecimento adquiridos ao longo dos anos, juntamente com a qualidade dos seus produtos e da prática de preços competitivos, fazem da TrimNW um nome forte na Europa na produção daqueles materiais.
Um dos novos projectos passa por fornecer uma empresa que faz a montagem dos tectos para os táxis de Londres, também no Reino Unido.
É para França que a empresa mais exporta, embora tenha clientes em Espanha, Itália, República Checa e Reino Unido. Um dos últimos clientes é uma empresa inglesa que faz a montagem dos tectos das viaturas usadas como táxis.
Na fábrica de Santarém trabalham três dezenas de pessoas, a maioria antigos trabalhadores da Ipetex que aceitaram o desafio de agarrar este negócio.
“Somos pessoas muito pragmáticas e focadas na produção. Sub-contratamos todos os serviços que não são o nosso core-business, como a contabilidade ou os recursos humanos. As decisões são tomadas em conjunto e não somos nada impulsivos. Sabemos bem a estratégia que queremos e arriscamos quando temos a certeza que é aquele o caminho que queremos tomar. Os negócios fazem-se desde que a gente corra atrás deles. Se ficarmos aqui quietos à espera que venham ter connosco eles não vêm. O nosso material é muito específico, temos de procurar os nossos clientes, procurar as oportunidades que eles nos possam dar. E quando nos dão essa oportunidade damos o nosso melhor para ir ao encontro das suas expectativas”, conta Rui Lopes a O MIRANTE.

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1380
    05-12-2018
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1380
    05-12-2018
    Capa Médio Tejo