uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
31 anos do jornal o Mirante
Junta de Samora Correia quer recuperar espólio de Carlos Gaspar
Augusto Marques quer ficar com o espólio que resta de Carlos Gaspar

Junta de Samora Correia quer recuperar espólio de Carlos Gaspar

Duas décadas após a morte do dirigente associativo, a autarquia pretende reunir o espólio que resta para expor no Palácio do Infantado.

Edição de 30.01.2019 | Sociedade

Já pouco resta do espólio do dirigente associativo Carlos Gaspar, figura grada de Samora Correia falecida há 20 anos, mas há peças que a Junta de Freguesia de Samora Correia ainda quer recuperar para colocar em exposição permanente no Palácio do Infantado.
Numa visita à casa onde residiu Carlos Gaspar, o presidente da Junta de Samora Correia, Augusto Marques (CDU), confirma que num compartimento que servia de biblioteca ainda lá estão alguns livros e um cadeirão. “A mesa de carpinteiro que estava no rés-do-chão já está na posse da junta e vamos expô-la na próxima Feira Anual, juntamente com mais algum espólio que ainda consigamos recuperar”, disse a O MIRANTE Augusto Marques.
Na perspectiva do autarca da CDU, falta “apurar o que aconteceu aos bens pessoais” de Carlos Gaspar e, caso se recuperem alguns, “o caminho será expô-los na Biblioteca Municipal Odete e Carlos Gaspar, no Palácio do Infantado”.
Carlos Gaspar, que faleceu em 1998, deixou os seus bens a um único herdeiro, um amigo próximo do samorense, já que a sua esposa, Odete, e a filha, Marília, tinham falecido. O MIRANTE sabe que o herdeiro contactou a Câmara Municipal de Benavente mostrando interesse em doar alguns objectos e vender a habitação onde Carlos Gaspar residiu.
De acordo com o presidente da Câmara de Benavente, Carlos Coutinho (CDU), o herdeiro contactou os serviços municipais numa tentativa de vender o imóvel, por um valor que “não era simbólico, mas de mercado”. [O herdeiro] “não quis vender a casa para fazer valer a memória de Carlos Gaspar, mas para fazer valer os direitos financeiros da habitação, e a câmara entendeu que aquele valor não era comportável”, explica o autarca.
A casa onde Carlos Gaspar residiu foi comprada há cerca de um ano por um jovem casal e foi já nestas condições que Augusto Marques e a autarca independente do “Mais para Todos”, Paula Rego, visitaram as instalações, numa tentativa de recuperarem alguns objectos.
Segundo Augusto Marques, os actuais proprietários da habitação estão a ponderar requalificar o rés-do-chão para alojamento local e já “se mostraram disponíveis para afixar à entrada uma placa de homenagem” a Carlos Gaspar.
Actualmente, o espólio de Carlos Gaspar resume-se a três brochuras que incluem cartas trocadas entre o samorense e algumas figuras e entidades de relevo nacional, entre elas a Fundação Calouste Gulbenkian.
Para Carlos Coutinho “a memória de Carlos Gaspar continua bem vincada no povo de Samora Correia”. Em declarações a
O MIRANTE, o autarca refere que o samorense “não foi esquecido e que foi reconhecido em vida pela obra que realizou”. “Preservar a Biblioteca Odete e Carlos Gaspar foi a grande homenagem que a câmara municipal lhe poderia ter feito”, acrescentou.

Junta de Samora Correia quer recuperar espólio de Carlos Gaspar

Mais Notícias

    A carregar...