uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
31 anos do jornal o Mirante
No Palácio da Flamenga roubaram tudo o que havia para levar
Palácio da Flamenga é uma ruína cada vez mais difícil de ser recuperada ou salva pelo Estado

No Palácio da Flamenga roubaram tudo o que havia para levar

Estado deixou um património valioso degradar-se até à ruína completa. Já não há mais nada para roubar no antigo Palácio da Flamenga, em Vialonga: depois de dois mil azulejos seiscentistas foi a vez de desaparecer também um relógio de sol e vários brasões das arcadas. Já só resta a ruína e a tristeza dos moradores da vila.

Edição de 18.06.2019 | Sociedade

O Palácio da Flamenga, em Vialonga, também conhecido entre as gentes da terra como o antigo hospital, está num estado de puro abandono e entregue ao vandalismo. E o pouco património histórico ali existente continua a ser roubado: primeiro foram dois mil azulejos do século XVII que decoravam a capela dedicada a Santo António, depois um relógio de sol e agora os brasões talhados na pedra que ornamentavam várias arcadas.
O velho palácio está sem vigilância, com as paredes cobertas de grafitis, com o interior completamente vandalizado e coberto de lixo e restos de materiais furtados. O imóvel é propriedade do Estado, entidade que pouco ou nada tem feito nas últimas décadas para o preservar. E os ladrões vão aproveitando, já que a falta de fiscalização permite que toda a gente se sirva à vontade e sem vergonha.
“Há carrinhas que são vistas com gente a ir lá dentro buscar peças, tenho gente a ligar para a junta a alertar para isso”, lamenta José António Gomes, presidente da Junta de Freguesia de Vialonga, que vê com tristeza o estado daquele edifício. “Ao longo dos anos tem sido muito delapidado mas as entidades oficiais e o Estado deviam zelar mais pela conservação do pouco património que ainda existe. Devíamos poder ir lá buscar algumas peças e guardá-las para memória futura”, confessa a O MIRANTE.
Fernando Brites tem 68 anos e veio morar para Vialonga na década de 90. Na altura o palácio ainda era um edifício preservado. Hoje é uma ruína. “É albergue de drogados e pior, as crianças das escolas gostam de ir lá para dentro brincar e aquilo é perigoso. Já houve um incêndio grande há uns anos e pode ruir alguma coisa. É absolutamente condenável o país nunca ter tomado medidas para salvaguardar este património”, critica.
O MIRANTE contactou a Direcção Geral do Património Cultural sobre este assunto mas não recebeu qualquer resposta até à data de fecho desta edição.
Para o edifício chegou a estar planeada uma unidade de cuidados continuados mas os promotores desistiram por falta de apoios e a Câmara de Vila Franca de Xira abdicou do protocolo de cedência em direito de superfície que assinara com o Estado. No palácio funcionou, até 1989, uma extensão do hospital de Vila Franca de Xira. Desde essa altura que o espaço tem vindo a cair no esquecimento.

No Palácio da Flamenga roubaram tudo o que havia para levar

Mais Notícias

    A carregar...