uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
31 anos do jornal o Mirante
Coronavírus troca as voltas aos noivos e obriga a adiar casamentos
Emiliana Lira e Dinis Marques adiaram o casamento para Agosto do próximo ano

Coronavírus troca as voltas aos noivos e obriga a adiar casamentos

São muitos os noivos que em Portugal tencionavam casar este ano. A época alta dos casamentos normalmente começa em Maio e vai até Setembro. O MIRANTE falou com dois casais que se viram obrigados a adiar a marcante cerimónia na vida de um casal.

Edição de 11.05.2020 | Sociedade
Mariana Salgueiro e Bruno Gonçalves tinham casamento marcado para 1 de Maio mas tiveram que adiar para o próximo mês de Outubro

Mariana e Bruno tinham casamento marcado para esta sexta-feira, 1 de Maio, mas tiveram que adiar a boda devido à pandemia provocada pelo novo coronavírus. O casal, que vive em Andreus, concelho do Sardoal, comemora três anos de namoro nesse dia e gostava de assinalar a data com a oficialização da união entre ambos. Mariana Salgueiro, 26 anos, e Bruno Gonçalves, 24 anos, decidiram cancelar o casamento a 16 de Março, dois dias antes do Governo decretar o primeiro estado de emergência no país. A família de Bruno é do Minho e os jovens começaram a perceber que a situação era grave e optaram por adiar a festa.
Se tudo correr bem a boda será celebrada a 4 de Outubro deste ano. Já está tudo pronto. O vestido da noiva e o fato do noivo, assim como a ementa na quinta onde vão casar e a lua-de-mel nas Maldivas, que conseguiram alterar pagando apenas uma taxa extra. “Acreditamos que nessa altura já estará tudo mais calmo e vai ser possível casarmos. Tivemos que ligar para todos os convidados, que são cerca de 200, a avisar que iríamos adiar o casamento porque não estavam reunidas condições para fazer a festa. Temos pessoas idosas na família e algumas com outras doenças. Não queremos colocar ninguém em risco”, explicam a O MIRANTE.
Mariana confessa que o facto de viverem juntos tem facilitado o isolamento a que todos estamos obrigados. O seu aniversário, no dia 21 de Março, foi diferente. “Estamos habituados a comemorar as datas especiais todos em família. Nessa semana, além de mim, também a minha mãe e irmã fazem anos. Este ano não houve prendas, foi só a presença dos mais próximos e isso é realmente o mais importante”, admite.
Não foi só o casamento do casal que foi adiado. Também a sua vida profissional sofreu um revés. Ambos trabalham na área da hotelaria e deixaram Vila Nova de Cerveira, no Minho, e decidiram iniciar uma nova vida em Andreus. A ideia é construir um Alojamento Local que está em suspenso à espera que o Governo permita que as coisas avancem. Os pais de Mariana têm um restaurante em Andreus que teve que fechar. O que ainda vai dando algum dinheiro é o café que também têm, onde dispõem de jogos da Santa Casa da Misericórdia.

“Qualquer que seja o dia do casamento o mais importante é estarmos juntos”
Emiliana Lira e Dinis Marques, ambos de 36 anos, planeavam casar no dia 29 de Agosto. Namoram há dois anos e meio e estão noivos há 18 meses. Ela é de Lisboa e veio viver com o namorado para Santarém, de onde ele é natural. Emiliana é manicure e Dinis barbeiro. São empresários em nome individual e foram obrigados a encerrar as suas actividades profissionais quando foi decretado o estado de emergência. Sem certezas quanto ao futuro optaram por adiar o casamento. Dia 7 de Agosto de 2021 é a nova data. Não escolheram casar a 29 de Agosto do próximo ano porque nesse dia o filho de Emiliana, Rogério, celebra o 18º aniversário e não quiseram coincidir as festas.
Emiliana e Dinis já tinham tudo tratado. O vestido está escolhido e o fato do noivo também, que confessou a O MIRANTE que irá de calções. O casal sentiu que não seria seguro celebrar a sua união num momento tão incerto. “Sentimos que este ano não é seguro casarmos. Tivemos receio pelo vírus que se propaga sem darmos por isso. Não vamos juntar as nossas famílias e amigos e depois alguma coisa corre mal… Além disso, somos ambos empresários por conta própria e o momento agora é de contenção. Temos que perceber o que vem aí nos próximos meses para tomarmos decisões. Por isso optamos por casar para o ano”, explica Emiliana.
O casal está esperançoso de poder voltar ao trabalho já no início de Maio. A noiva conta que já tem várias surpresas preparadas para fazer aos convidados e ao noivo mas vão ter que aguardar. “Assim tenho mais tempo para pensar em mais coisas”, garante. Também a despedida de solteira de Emiliana já estava preparada e as suas amigas alinharam em todas as suas ideias. “Tenho um lado louco e tenho a sorte de as minhas amigas aceitarem todos os meus desafios. Tenho a certeza que, seja em que ano for, a festa vai ser um dia muito feliz que ficará na memória de todos nós. Isso é o mais importante”, conclui.

Coronavírus troca as voltas aos noivos e obriga a adiar casamentos

Mais Notícias

    A carregar...

    Capas

    Assine O MIRANTE e receba o Jornal em casa
    Clique para fazer o pedido