Sociedade | 14-03-2019 12:30

Presidente da Chamusca quis castigar cidadão que denunciou ilegalidade da câmara

Presidente da Chamusca quis castigar cidadão que denunciou ilegalidade da câmara

Município admitiu ter passado certidão falsa à Casa do Povo, mas o presidente não gostou de ser afrontado.

O presidente da Câmara da Chamusca quis retaliar contra um munícipe que pediu à assembleia municipal que investigasse a passagem de uma certidão falsa. Essa certidão permitiu que uma habitação da Casa do Povo da Chamusca fosse vendida ilegalmente.

Paulo Queimado queixou-se de difamação ao Ministério Público, que arquivou o caso. Não satisfeito pediu a instrução do processo e o juiz foi claro: a acção do autarca é própria de estados autocráticos e repressivos que não toleram o escrutínio dos seus actos.

O juiz de instrução decidiu não levar o caso a julgamento. Ridículo é que o município admitiu a ilegalidade denunciada pelo cidadão.

*Toda a história na edição semanal em papel desta quinta-feira

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1341
    19-09-2019
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1341
    19-09-2019
    Capa Médio Tejo