Sociedade | 08-06-2019 19:30

Uma família de três pessoas só devia pagar um bilhete para entrar na Feira

Uma família de três pessoas só devia pagar um bilhete para entrar na Feira
FEIRA DA AGRICULTURA

Jorge Primor - Proprietário da Electrorecâmbio, Lda, Santarém

Vai ver a Feira Nacional da Agricultura? Sim.

Quanto gasta em entradas ? Normalmente oferecem ingressos.

O que mais gosta de ver? Animais; artesanato; máquinas...

Qual é para si a importância desta festa para a região? De 0 a 5, dou 5.

O que gostava de ver diferente na Feira? Uma família de três pessoas (pai, mãe, filho(a), por exemplo), só deveria pagar uma entrada.

Como vê o futuro do concelho de Santarém? Politicamente: futuro fantástico. Futuro tendo em conta a realidade: mal.

A região merecia mais acontecimentos deste género o longo do ano? A região merece é mais investimentos tanto na agricultura como na indústria. E ter uma marca própria que faça a diferença. Almeirim/sopa da pedra; Santarém: porque não a fataça na telha? E qual a razão de não se associar o doce pampilho a Santarém?

Sabe que o CNEMA tem uma sala de espectáculos que leva mais de mil pessoas? Sei, mas quem terá que saber serão os grandes organizadores de eventos.

O que é que gostava de ver renovado na cidade e no concelho? Afirmarmo-nos perante o mercado. Talvez ver Santarém com mais protagonismo...

Santarém é a capital do Ribatejo, ou já foi? Continua a ser mas se não se cuidar poderá ser muito bem ultrapassada, por exemplo, por Coruche.

Como vê o futuro da sua empresa? Esta questão leva-me de imediato para os nossos vizinhos espanhóis. A Electrorecâmbio está em Santarém há quatro dezenas de anos, somos uma empresa certificada e com técnicos certificados; já levámos o nome de Santarém (via trabalho) a todo o país. Pessoalmente, já vim de propósito a correr para Santarém para almoçar estando em Lisboa. Tudo o que possa fazer para levar o nome de Santarém e promover o que aqui se produz e ajudar o mercado local, faço-o.

Quanto ao futuro da empresa acreditamos que apesar das dificuldades, mas com organização e profissionalismo, que é a nossa bandeira conseguiremos estar cá mais uns bons anos. Os escalabítanos deveriam ter mais orgulho nas suas empresas e darem prioridade às mesmas.

Como é que se atraem investidores para o concelho de forma a haver mais empregos e maior riqueza? Talvez em primeiro lugar, conhecer possíveis investidores, conhecer os projectos e após escolha não deixar os mesmos cair nas teias da burocracia.

Estamos a aproveitar bem a A1 e a proximidade com Lisboa? Muito bem. Basta fazer uma pequena conta. Nós trabalhamos muito em Lisboa e é só ver quanto é que pagamos de portagens anualmente. Tanto se paga para trabalhar como para passear.

Como é que classifica a massa critica dos políticos do concelho? Massa critica dos políticos locais existe sim mas é em Lisboa. Criticar os patrões!!

Como vê o exercício da cidadania, o seu e os dos seus amigos e conhecidos? No computo geral o que se vê é um descrédito enorme dos cidadãos em relação a todos os políticos.

Se pudesse influenciar o poder político qual era a primeira medida que tomava para mudar o rumo das coisas? Essa é a pergunta para um milhão de euros.

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1429
    13-11-2019
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1429
    13-11-2019
    Capa Médio Tejo