Sociedade | 21-06-2019 15:00

Moradores do Forte da Casa criticam construção de ciclovias

Moradores do Forte da Casa criticam construção de ciclovias
FORTE DA CASA

Em causa está uma redução de lugares de estacionamento para automóveis.

Quem vive nas ruas São João de Deus, Adriano Correia de Oliveira, José António Veríssimo da Silva e dos Lusíadas, no Forte da Casa, não se conforma com a obra em curso de construção de novas ciclovias na Estrada Nacional 10 e dizem que o projecto vai acabar com dezenas de lugares de estacionamento nessa zona.

Os lugares não estavam marcados no pavimento mas muitos condutores usavam a estrada para estacionar os seus carros para se deslocarem ao comércio existente na zona, que é em elevado número. A transformação da EN10 em avenida urbana obriga a estreitar a faixa existente nessas ruas e, com isso, a desaparecer o espaço que era usado como parqueamento improvisado.

Quem vive e trabalha na zona não concorda, diz que se vai matar o comércio e em quatro lotes já foram recolhidas mais de 50 assinaturas contra a obra. “Estas são as ruas com mais comércio do Forte da Casa, Se tirarem daqui o estacionamento onde é que as pessoas vão parar? Já para não falar dos moradores, se precisarmos de carregar alguma coisa no carro como fazemos com a estrada ficando apenas num sentido?”, questiona Manuel Delgado.

Na Rua São João de Deus as queixas são semelhantes. Manuel Silva tem uma empresa de comércio de bacalhau e, como se não bastasse o estado de abandono da zona – diz quem ali trabalha que não há uma intervenção de limpeza e corte de ervas há anos – a obra pode colocar em causa a passagem dos camiões. “Todas as semanas tenho aqui um camião a descarregar nas traseiras dos prédios. Se avançarem com a obra como vou fazer?”, questiona. Outro local que levanta preocupações é junto a uma clínica de hemodiálise, que tem com frequência carros e ambulâncias paradas à porta a levantar utentes.

Câmara procura consensos

Contactada por O MIRANTE, a Câmara de Vila Franca de Xira é sensível aos argumentos dos moradores e diz estar disponível para analisar as suas observações e propostas. O município está a realizar uma intervenção grande na EN10 no sentido de a requalificar e dotar de melhores condições de circulação e acessibilidade. Actualmente existem 223 lugares legais de estacionamento na zona.

“Nunca foi intenção da câmara acabar com o estacionamento existente. O trabalho em curso vai permitir melhorar a acessibilidade pedonal e aumentar o número de árvores. Após a sua conclusão existirá uma oferta de 215 lugares de estacionamento, sendo que pelo menos mais 28 lugares de serviço a estes arruamentos serão garantidos através de alternativas actualmente em estudo”, explica o município. Quanto à clínica, o município diz-se disponível para avaliar a necessidade de reserva de mais lugares para ambulâncias.

Ao contrário do que avançam alguns moradores a obra não está suspensa na zona. A câmara explica que está a intervir numa extensão de cinco quilómetros e que, por isso, poderá haver momentos em que os trabalhos parem momentaneamente.

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1433
    21-11-2019
    Capa Médio Tejo
    Edição nº 1433
    21-11-2019
    Capa Vale Tejo