Sociedade | 10-07-2019 18:00

Lezíria do Tejo reclama nova região em conjunto com Médio Tejo e Oeste

Lezíria do Tejo reclama nova região em conjunto com Médio Tejo e Oeste
CIMLT

Comunidade Intermunicipal sediada em Santarém rejeita novo programa operacional regional sem criação de nova NUT.

A Comunidade Intermunicipal da Lezíria do Tejo (CIMLT) só aceita um novo Programa Operacional Regional se este for associado à prometida região a formar com as CIM do Médio Tejo e do Oeste, afirmou Pedro Ribeiro (PS), presidente da CIMLT e da Câmara de Almeirim.

Pedro Ribeiro disse à Lusa que, numa reunião realizada há dias, a maioria dos 11 presidentes dos municípios da Lezíria do Tejo estão determinados em exigir que o novo Programa Operacional seja associado à criação de uma nova NUTS (Nomenclatura das Unidades Territoriais para fins estatísticos) de nível 2 (a somar às sete já existentes no país), como foi prometido pelo Governo.

“Ou temos um Programa Operacional com uma região associada, como defendeu o primeiro-ministro e o anterior ministro das Infraestruturas Pedro Marques, ou vamos definitivamente para o Alentejo, deixando em definitivo a CCDR (Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional) de Lisboa”, declarou.

As três CIM (Lezíria, Médio Tejo e Oeste) dependem da CCDR de Lisboa e Vale do Tejo em termos de ordenamento do território, mas integram as CCDR Centro (OesteCIM e CIMT) e Alentejo (CIMLT) para acesso a fundos comunitários, tendo o actual Governo socialista anunciado por diversas vezes que avançaria com a criação da nova região quando fosse negociado o novo quadro comunitário de apoios.

Pedro Ribeiro, lamenta que não tenha sido aproveitado o momento em que poderia ter acontecido de forma ordinária (até Fevereiro último). Perdida essa janela de oportunidade, a criação da região poderá, segundo o autarca, fazer-se de forma extraordinária, sendo apenas necessário que haja vontade política para que aconteça, cabendo ao Governo propor e encontrar argumentos que garantam a sua aprovação por Bruxelas.

“Quando há vontade política as coisas fazem-se. Não havendo, preferimos ficar no Alentejo a ter um Programa Operacional que dura sete anos e depois não se sabe o que acontece”, disse. Para Pedro Ribeiro, acabado o Programa Operacional, a Lezíria “não quer ficar dependente de Lisboa”, onde os problemas são de tal modo diversos dos sentidos nesta sub-região (sobrepopulação, falta de habitação, de escolas, de creches), que não há uma compreensão sobre a realidade deste território.

“A proximidade a Lisboa ninguém nos tira”, disse o autarca, salientando que, pelo menos, o Alentejo “conhece e compreende” pela similitude de realidades (como por exemplo a importância da agricultura e do mundo rural), sendo mais fácil articular estratégias.

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1430
    21-11-2019
    Capa Médio Tejo
    Edição nº 1430
    21-11-2019
    Capa Vale Tejo