Sociedade | 21-10-2019 07:00

Dejectos acumulam-se em garagem no centro de Santarém

Dejectos acumulam-se em garagem no centro de Santarém
RECLAMAÇÕES

Prédio de habitação não está ligado à rede de esgotos e é servido por uma fossa que é fonte de maus cheiros e atrai bicharada.

Uma fossa séptica a céu aberto na garagem de um prédio alugado a meio da Avenida dos Combatentes, em Santarém, está a originar reclamações de quem mora ali perto. Mau cheiro e presença constante de moscas e ratazanas, devido aos dejectos humanos que se vão acumulando no local, motivam as queixas de quem vive nas proximidades.

Contactada por O MIRANTE, a direcção de operações da empresa municipal Águas de Santarém refere que foi detectada uma situação de incumprimento por falta de ligação do prédio à rede de saneamento básico e que o cliente foi notificado para solicitar orçamento de ramal.

António Dias, residente na rua há mais de década e meia, refere que o prédio nunca teve ligação à rede de esgotos e nunca teve condições de habitabilidade. Ainda assim, adianta, o proprietário do imóvel decidiu, há dois meses, arrendar os dois andares a duas famílias de nacionalidade indiana e, desde aí, a situação tem piorado.

A O MIRANTE António Dias admite que ninguém pretende que as duas famílias se vão embora do prédio. O que os moradores querem é que se faça a limpeza e selagem da fossa e que o proprietário do edifício faça rapidamente a ligação aos esgotos públicos. “Sabemos que é necessário que o proprietário gaste algum dinheiro, mas tanto eu como os meus vizinhos tivemos, na altura, de o fazer”, diz.

O residente, de 83 anos, conta que já expôs a situação à Câmara de Santarém e que o presidente do município esteve no local e prometeu notificar o proprietário do imóvel, mas até agora nada foi feito. “Isto não pode continuar assim. Estamos a falar de um caso de saúde pública”, confessou o reformado que mora a poucos metros do local.

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1429
    13-11-2019
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1429
    13-11-2019
    Capa Médio Tejo