Sociedade | 30-06-2020 18:00

Pais de criança com cancro lutam por um milagre

Pais de criança com cancro lutam por um milagre

Xavier Almeida tem 19 meses e sofre de astrocitoma desmoplasico infantil, um cancro muito raro no cérebro proveniente de uma mutação genética.

Os pais de Xavier Almeida, de 19 meses, continuam com esperança em encontrar um tratamento para o filho que sofre de astrocitoma desmoplasico infantil, um cancro muito raro no cérebro, proveniente de uma mutação genética. Ana Baptista e Rúben Almeida, residentes em Santarém, não se resignam perante a opinião dos médicos de que não há mais nada a fazer e decidiram abrir há poucas semanas uma conta solidária e a página no Facebook “Xavier – Um Guerreiro de Ouro”. O objectivo é divulgar o mais possível a doença do Xavier e conseguir angariar dinheiro para um tratamento no estrangeiro.


A mãe, de 30 anos, que trabalhava numa loja de telecomunicações em Santarém e que agora dedica-se exclusivamente ao filho, conta que, de início, pretendia apenas dar a conhecer o caso para que chegasse a todo o lado. Mas, devido aos elevados custos dos tratamentos, surgiu também a ideia de abrir uma conta solidária. “Neste momento não nos podemos ir abaixo. Temos de fazê-lo pelo nosso filho”, afirma.


Xavier sempre foi uma criança muito viva e cheia de saúde até aos nove meses. Em Setembro de 2019 a ama da criança apercebeu-se de um pequeno estrabismo e alertou os pais. Na altura, Ana e Rúben decidiram levar o menino ao Hospital de Santarém e logo na ressonância magnética foi possível detectar uma grande massa na cabeça e os médicos diagnosticaram uma paralisia do lado esquerdo. O menino foi levado de urgência para o Hospital de Dona Estefânia, em Lisboa, onde se confirmou o pior.


Seguiu-se uma cirurgia à cabeça para retirar o tumor e quatro semanas de internamento com muitos percalços pelo meio. Quando se esperavam melhoras, após uma ressonância magnética de revisão realizada em Outubro de 2019, o pesadelo voltou novamente para Ana e Ruben. O tumor tornou a crescer e Xavier teve de iniciar novamente tratamentos. Fez vários ciclos de quimioterapia e teve de levar um dreno na cabeça, sem grandes resultados. O “maldito cancro”, como designa Ana Baptista, aumentou e o menino teve de ser sujeito, em Março deste ano, a mais três ciclos de quimioterapia, desta vez mais agressiva.


“Foram momentos muito difíceis, mas sempre acreditei que tudo ficaria bem. Enganei-me”, admite Ana Baptista a O MIRANTE, recordando que foi já em Maio que os médicos lhe disseram que não havia mais nada a fazer no caso de Xavier. Com o filho internado no IPO de Lisboa, em coma induzido há 16 dias depois do menino sofrer um derrame cerebral à conta do tumor, Ana e Ruben mantêm acesa a chama da esperança. “Por muito que confie na equipa médica que acompanha o Xavier não aceito. Tem de haver algo que ajude a acabar com este bicho”, desabafa a mãe emocionada.

Amostras já foram para Barcelona

Depois da história de Xavier ficar conhecida o Hospital Sant Joan de Deu Barcelona, em Espanha, foi um dos primeiros a interessar-se em estudar o caso do menino. Entretanto, os pais já pagaram os 606 euros de custo da segunda opinião médica e foi enviada a análise e amostra do tumor para o hospital espanhol. Também o Boston Children’s Hospital, nos Estados Unidos da América, se mostrou disponível para analisar a situação do menino.

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1462
    29-04-2020
    Capa Médio Tejo
    Edição nº 1462
    29-04-2020
    Capa Vale Tejo