Sociedade | 01-08-2020 10:00

Vereador do PSD vende máscaras à Câmara de Tomar

Vereador do PSD vende máscaras à Câmara de Tomar
POLÍTICA

O autarca da oposição Luís Ramos diz que não se sente limitado na sua capacidade de crítica à maioria socialista, que lhe comprou 1.500 máscaras por cerca de 4 mil euros.

A Câmara de Tomar comprou 1.500 máscaras a uma empresa do vereador da oposição Luís Ramos (PSD), pelo valor de 2,5 euros mais IVA. As primeiras mil máscaras foram para distribuir aos funcionários do município e as restantes 500, adquiridas agora, foram postas à venda ao público no posto de turismo. Como o vereador do PSD não tem funções executivas, o negócio não é ilegal, atendendo a que o autarca também não votou a aquisição. Mas não deixa de ser um caso curioso e que pode alterar a forma como os munícipes vão olhar para a intervenção crítica do vereador apesar de Luís Ramos considerar que o negócio com a maioria socialista não o menoriza na sua acção fiscalizadora e opositora ao regime local.


As máscaras reutilizáveis, que estão à venda no posto de turismo por três euros cada, têm a cruz templária, imagem da cidade, bordada a vermelho. A aquisição de mais 500 máscaras para venda foi aprovada em sessão camarária, mediante proposta da vereadora da Cultura, Filipa Fernandes. As máscaras de cor preta são de tamanho único adaptável para homem e mulher, compostas por duas camadas de tecido 100% poliéster, com filtros TNT incluídos, segundo descrição da vereadora. Luís Ramos retirou-se durante a votação do ponto.


O vereador social-democrata, questionado por O MIRANTE, diz que na altura vendeu as primeiras mil máscaras à câmara numa perspectiva de servir o município, que pretendia um produto com qualidade, alegando que até foi um favor fazer as máscaras. Luís Ramos considera que não está em causa propriamente um negócio e que não se sente limitado na sua acção enquanto vereador da oposição, entendendo que continua a ter legitimidade para apontar o dedo à maioria que decidiu comprar-lhe as máscaras por um total de cerca de quatro mil euros.


A vereadora socialista Filipa Fernandes referiu na reunião do executivo que houve muitas solicitações, inclusivamente por parte dos turistas, e foi por isso que a câmara decidiu avançar para a sua comercialização. A autarca explicou que as máscaras foram encomendadas a empresas de Tomar com o intuito de favorecer a economia local e vão ser vendidas a preço de custo.


Os dois vereadores da bancada do PSD, companheiros de Luís Ramos, alertaram para o facto de o município poder estar a concorrer directamente com os comerciantes locais. Respondendo a algumas críticas que surgiram nas redes sociais, a vereadora Filipa Fernandes sublinhou que a Câmara de Tomar não se está a aproveitar da pandemia para fazer lucro.

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1468
    09-07-2020
    Capa Médio Tejo
    Edição nº 1468
    09-07-2020
    Capa Vale Tejo