Sociedade | 10-08-2020 15:00

Edifício do antigo hospital de VFX vai ser uma unidade de cuidados continuados

Edifício do antigo hospital de VFX vai ser uma unidade de cuidados continuados
SOCIEDADE

Espaço está desactivado há sete anos e está muito degradado. Concurso público para a empreitada foi publicado em Diário da República.

Investimento ronda os cinco milhões de euros e prevê a criação de duas centenas de postos de trabalho.

Foi publicado na última semana em Diário da República o concurso para a empreitada de requalificação de parte das instalações do antigo Hospital de Vila Franca de Xira, com um valor base próximo dos cinco milhões de euros. O prazo de execução previsto para as obras é de 18 meses.


A reabilitação daquele velho e degradado edifício, fechado há sete anos, vai permitir criar uma Unidade de Cuidados Continuados Integrados para idosos com capacidade de 140 camas. Isso permitirá, segundo a Santa Casa da Misericórdia de Vila Franca de Xira, entidade proprietária do espaço, criar até duas centenas de postos de trabalho.


Armando Jorge de Carvalho, provedor da Misericórdia de VFX, considera que o projecto será estruturante e decisivo para a economia local da cidade. É ambição da instituição criar naquele edifício um campus de saúde com diversas valências, onde além dos cuidados continuados possa acolher uma clínica privada, um lar com 52 camas e novos espaços e serviços de apoio.


A instituição vilafranquense viu o projecto da unidade de cuidados continuados aprovado pela Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo, permitindo a garantia de uma comparticipação de metade do valor das obras, através do Instituto de Financiamento da Reabilitação e Revitalização Urbana. A nova unidade vai funcionar nos edifícios mais recentes daquele complexo. Já está também a decorrer a elaboração dos projectos de demolição dos edifícios das áreas que vão ser destinadas à nova clínica ambulatória e lar que deverão ficar no local das antigas urgências e consultas externas.


Há muito que o antigo hospital da cidade tem sido alvo de queixas de alguma vizinhança por causa do estado de degradação a que chegou. Algum do equipamento médico que existia no interior foi doado a uma organização não governamental da Guiné. O antigo hospital fechou em Abril de 2013, altura em que todos os serviços hospitalares passaram para o novo hospital gerido em regime de parceria público-privada pela José de Mello Saúde.


A Misericórdia chegou a investir na contratação de segurança para os edifícios mas esse gasto tornou-se incomportável e os edifícios logo começaram a ser alvo de roubos e vandalismo. Algumas entradas foram tapadas mas nem isso travou algumas pessoas de violarem os limites do recinto e entrar no espaço.

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1473
    19-08-2020
    Capa Médio Tejo
    Edição nº 1473
    19-08-2020
    Capa Vale Tejo