Sociedade | 24-10-2020 07:00

“Agora olho para o espelho e gosto do que vejo”

“Agora olho para o espelho e gosto do que vejo”
SOCIEDADE

Susana Matos perdeu 65 quilos em 17 meses, depois de mudar os hábitos alimentares e começar a fazer exercício físico.

Susana Matos tinha 36 anos e pesava 125 quilos quando teve um princípio de enfarte durante um almoço de família. No hospital disseram-lhe que devia emagrecer e foi a primeira vez que o excesso de peso mexeu consigo. Noutra ocasião, devido a uma dor no joelho, o médico avisou o seu marido que se não perdesse peso corria o risco de ficar numa cadeira de rodas. Natural de Tomar, Susana nunca se preocupou com a balança. Desde criança gostava de comer e não se coibia de nenhum alimento.

“Adorava sopas de leite com pão ao pequeno-almoço. Adorava açorda e estava sempre a pedir à minha mãe para fazer. Batatas fritas eram um vício. Tinha o vício de comer. Almoçava e passado uma hora já estava novamente a comer. Quando passava numa pastelaria e sentia o cheiro das bolas de Berlim, se estivessem quentes, era capaz de comer duas. Foi assim que fui engordando. Nunca me preocupei porque não me sentia gorda”, conta a O MIRANTE. A mãe dizia-lhe para não comer tanto, mas isso ainda lhe dava mais vontade de comer. As pessoas diziam-lhe que estava gorda. Susana tentava não ligar aos comentários, mas ficava magoada com o que ouvia.

Só quando teve o princípio de enfarte, há três anos, é que começou a pensar que tinha que mudar os hábitos alimentares, mas ainda andou um ano a matutar no assunto. A 18 de Setembro de 2018, dia em que a sua filha mais velha celebrou 16 anos, decidiu que tinha chegado a hora de mudar. Nesse dia comeu tudo o que lhe apeteceu sem se privar de nada. Na manhã seguinte disse ao marido que ia alterar os hábitos alimentares. O esposo não acreditou porque já tinham sido muitas as vezes que tinha iniciado dietas e desistido. No entanto, Susana estava determinada. Inscreveu-se num ginásio e frequentou-o durante três meses, até a queda de um peso de 25 quilos no pé esquerdo lhe partir três dedos.

“Fartei-me de chorar nessa altura, porque já tinha perdido algum peso e queria continuar. Percebi que poderia continuar a minha jornada com exercício ao ar livre”, recorda. Depois de recuperar da lesão no pé começou a fazer caminhadas. Mais tarde optou pela corrida e aproveita as máquinas de exercício físico junto ao rio Nabão, no centro da cidade de Tomar, para se exercitar. Pesquisou receitas saudáveis na Internet e adaptou-as. Não cortou com os hidratos de carbono. A diferença está nas quantidades que agora são muito mais pequenas. Foi assim que conseguiu atingir os seus objectivos.

“Recuperei anos de vida e não volto atrás”

Actualmente o seu peso varia entre os 58 e os 60 quilos. Deixou de vestir o tamanho XXXL para usar calças 34 e 36. Consegue vestir a roupa das filhas, de 18 e 13 anos. “Nunca me olhava ao espelho e agora todos os dias me vejo ao espelho e gosto do que vejo. Ganhei uma auto-estima que não tinha. Tenho orgulho no que consegui alcançar e o mais importante é que perdi o vício da comida”.

Quando tem uma festa ou um convívio familiar abusa um bocadinho, mas já não consegue ingerir as mesmas quantidades e nos dias seguintes reforça o exercício físico e come menos. As verduras passaram a fazer parte da sua dieta. Tudo mudou. A médica de família chegou a encaminhá-la para uma consulta de nutrição no hospital, mas o pesou desapareceu antes da data da consulta.

Susana está desempregada, mas na altura do confinamento, quando não se podia sair de casa, aproveitava para fazer exercício na escada do prédio, subindo e descendo os degraus várias vezes. Também saltava à corda. Confessa ter ficado viciada em desporto e quando está mais de três dias sem se exercitar o corpo sente falta. Acredita que agora que aprendeu a comer não vai voltar a engordar. “Recuperei anos de vida e não volto atrás. Quero acompanhar o crescimento das minhas filhas e ver nascer os meus netos”, afirma com um sorriso contagiante.

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1482
    19-08-2020
    Capa Médio Tejo
    Edição nº 1482
    19-08-2020
    Capa Vale Tejo