Sociedade | 12-12-2022 15:00

Aldeia do Pego entre o sentimento de perda e o optimismo um ano após fecho da central a carvão

Aldeia do Pego entre o sentimento de perda e o optimismo um ano após fecho da central a carvão
Fecho da central a carvão, há um ano, afectou muitos trabalhadores e teve impactos directos negativos na economia local

O futuro ainda é uma incógnita para muitos dos trabalhadores da desactivada central do Pego, mas o investimento anunciado pela Endesa naquela infra-estrutura energética abre portas à esperança na aldeia do concelho de Abrantes.

Um ano após o fim da produção de energia a partir do carvão na Central Termoelétrica do Pego, no concelho de Abrantes, o sentimento da população é de perda social e económica, mas também de optimismo quanto ao futuro. “Sim, a freguesia sentiu. No início foi muito complicado porque todas as pessoas estavam indecisas e perguntavam-se sobre o que é que iria daqui sair, ‘a central a carvão vai fechar?’ e ‘o que é que será de nós?’”, diz à Lusa a presidente da Junta de Freguesia do Pego lembrando que o fecho da central a carvão, em 30 de Novembro de 2021, afectou muitos trabalhadores e teve impactos directos negativos na economia local.
Segundo Bia Salgueiro, os efeitos foram sentidos “através dos trabalhadores, da restauração, do comércio local e também através das pessoas individuais”. Durante a manutenção da central havia “300 a 400 pessoas no Pego instaladas em casas particulares que viviam disso”. Gerou-se depois um “sentimento de dor” pela falta de movimento e quebra da dinâmica económica e social. “Vimos que a nossa aldeia ficou mais triste”, sintetiza, admitindo, contudo, que “agora as coisas estão um bocadinho melhores”, em termos de perspectivas. “Como é que hei-de dizer? Se calhar aquela luz que víamos ao fundo do túnel… a luz já passou o túnel […] através da Endesa, que já cá está. Portanto, sentimos que essa luz já está presente, sentimos que os trabalhadores já conseguem ter uma visão [de futuro]”, acrescenta.
A leitura ambivalente da autarca do Pego, aldeia com cerca de 2.500 habitantes, é partilhada por António Larguinho, proprietário do restaurante Tulipa, que não esconde o lamento pelos prejuízos, nem um optimismo moderado com a reconversão da central para produção de energia ambientalmente sustentável. O negócio “está mais fraco”, como seria de esperar, já que tinha muitos clientes entre os funcionários da central. O anúncio do fecho trouxe uma “grande apreensão”.
“São coisas de que não estávamos à espera, embora se falasse. Falava-se em 2030, depois passou para 2026, depois encerrou em 2021. Basicamente, à espera de um fecho tão rápido não estávamos, mas sabíamos que ia acontecer. Trouxe quebras, como é natural, trouxe quebras aqui no comércio, na movimentação de pessoas, tudo negativo, nessa parte foi negativo”, relata António Larguinho, que partiu de Sines há 28 anos para abrir negócio no Pego, em plena Estrada Nacional 118, quando soube que se ia construir uma central a carvão.

Trabalhadores à espera
de boas notícias
Com o fecho do ciclo do carvão em Portugal acabou também um ciclo de trabalho para cerca de 150 pessoas que de forma directa ou indirecta mantinham relação com a central. Depois de várias saídas, inclusive por acordos ou despedimento colectivo, há cerca de 20 funcionários ainda em funções na infra-estrutura e com contrato até Dezembro e perto de 50 antigos trabalhadores em formação, na expectativa de retomar funções.
João Furtado, de 64 anos, engenheiro na central e um dos mais antigos trabalhadores, deixa o alerta: “Se não houver a aplicação do Fundo de Transição Justa todos estes trabalhadores, os que estão no activo e os que já estavam na fase de formação, irão para o desemprego. Irão perder mais de 50% do rendimento familiar”. A falta de informação tem sido o principal motivo de apreensão dos trabalhadores, que se concentram junto à entrada da central para a reportagem da Lusa, mas o presidente da Câmara de Abrantes, Manuel Valamatos, também entrevistado no local, anunciou ali mesmo ter recebido uma garantia do ministro do Ambiente da continuidade da protecção social e da formação, que a todos tranquiliza.
“A informação que tínhamos até agora era de que iria terminar no final de Dezembro e para o ano teríamos subsídio de desemprego”, diz Fernando Machado, 59 anos, em representação do grupo em formação, que “é bastante diverso”, em termos de idades. “Há alguns colegas que conseguem ir para a reforma, estão perto da idade da reforma. Há uma grande quantidade de pessoas como eu, na casa dos 59 anos, portanto, novos para a reforma, velhos – digamos - para o mercado de trabalho, apesar de toda a formação que temos e de sermos especializados nesta área. Agora, se as empresas têm interesse ou não em requalificar pessoas com a nossa idade e se somos competentes para o projecto temos de esperar para ver”, acrescenta, com expectativa moderada.
Manuel José Fernandes, do Sindicato das Indústrias Eléctricas do Sul e Ilhas, da CGTP-IN, insiste na necessidade de uma transição justa com a manutenção de empregos. “Lamentamos, de facto, que o Governo não tenha, mais cedo, colocado em cima da mesa a possibilidade da continuidade do projecto, que era obrigatória, digamos assim. Mas, enfim, hoje o senhor presidente [do município] teve oportunidade de transmitir aos trabalhadores, e a nós também, que tinha recebido indicação do senhor ministro do Ambiente e da Acção Climática de que o projecto iria continuar”, afirma.

Mais Notícias

    A carregar...
    Logo: Mirante TV
    mais vídeos
    mais fotogalerias

    Edição Semanal

    Edição nº 1596
    11-01-2023
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1596
    25-01-2023
    Capa Médio Tejo