Sociedade | 13-01-2023 16:55

Coruche foi palco de debate nacional sobre o sector das águas e saneamento

A evolução do preço da água e a reutilização deste bem foram alguns dos temas abordados no colóquio que decorreu no Observatório do Sobreiro e da Cortiça.

A água para reutilização (APR), em concreto em alguns sectores de atividade, foi o mote para a mesa-redonda “Aspetos económicos das águas para reutilização e da gestão das águas pluviais” que se realizou no dia 11 de Janeiro, em Coruche. O tema não é consensual, a começar pelo preço.

Para o presidente da direcção da FENAREG – Federação Nacional de Regantes de Portugal, José Núncio, os custos de tratamento e transporte da água apresentam dificuldades, assim como o armazenamento, e por isso a água reutilizada devia ter um preço mais “simpático” para a agricultura. Até porque “em trinta anos os agricultores nunca tiveram problemas de água” e nas explorações agrícolas pode haver quem queira esta opção e quem não queira. Passa sobretudo por informar os agricultores e avaliar os custos, considerou o dirigente.

As tarifas da APR estão ainda em discussão pública na ERSAR mas Vera Eiró sublinhou que as principais dificuldades nesta matéria são a ausência de informação e base legal para o regulador, a viabilidade técnica e os pontos de entrega, o investimento que é preciso fazer, tendo em conta a procura, e a necessidade de garantir as atividades económicas. “ A escassez vai ditar o preço da água”, afirmou.

Notícia desenvolvida na edição semanal impressa de O MIRANTE

Mais Notícias

    A carregar...
    Logo: Mirante TV
    mais vídeos
    mais fotogalerias

    Edição Semanal

    Edição nº 1596
    11-01-2023
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1596
    25-01-2023
    Capa Médio Tejo