Sociedade | 06-02-2023 18:15

Maus cheiros voltam a ser notícia em Alcanena

Maus cheiros voltam a ser notícia em Alcanena

Oposição alertou maioria que gere Câmara de Alcanena que cheiros intensificaram-se nas últimas semanas.

Os maus cheiros voltaram em força ao concelho de Alcanena. A vereadora da oposição na Câmara de Alcanena, a socialista Lucília Lopes, explicou na última reunião camarária, realizada na tarde de segunda-feira, 6 de Fevereiro, que os estores de sua casa voltaram a ficar pretos, o que já não acontecia há algum tempo. Os maus cheiros também se impregnam na roupa o que não permite que fique estendida a secar. "Há muito tempo que não notava o cheiro a entranhar-se e ficar dentro de casa, além dos estores que ficam pretos de um momento para o outro. Até as plantas ficam queimadas mas não é do frio, é dos químicos e cheiros tóxicos. A situação intensificou-se nos últimos tempos", afirmou a autarca que mora perto do centro de Alcanena.
O vereador Nuno Silva (PSD/CDS/MPT), que detém o pelouro do Ambiente, explicou que a empresa municipal Aquanena, onde ocupa o cargo de presidente do conselho de administração, está a intensificar a fiscalização às empresas. "Estamos a fiscalizar sobretudo ao início da manhã e ao final da tarde porque é quando temos temperaturas mais baixas. Este problema pode ter estar relacionado com as mudanças de temperatura repentinas. Vamos controlar o que se passa porque não queremos que os maus cheiros regressem ao concelho como acontecia há uns anos", garantiu o vereador.
Em Novembro do ano passado o presidente do município, Rui Anastácio (PSD/CDS/MPT), garantiu que a autarquia iria ser implacável com as empresas que não cumpram as regras estabelecidas e provoquem maus cheiros no concelho. Nuno Silva esclareceu que o cheiro deve-se normalmente à acção dos sulfuretos e não das lamas. No início de Janeiro deste ano os cheiros regressaram à vila durante dois dias. No entanto, agora regressaram com maior frequência.
Rui Anastácio explicou que a maioria dos problemas está relacionado com a dessulfurização nas próprias empresas. “Sabemos que, por vezes, não é um processo, do ponto de vista técnico, muito fácil de controlar, mas tem de haver maior rigor e um grande empenho por parte das empresas. E muitas vezes não existe”, lamentou, acrescentando: “seremos implacáveis com as multas que estão em processo para quem não cumprir com as licenças de descargas”.
A situação dos maus cheiros em Alcanena é recorrente há vários anos por causa da indústria do couro mas nos últimos tempos a situação tem estado controlada. Houve alturas em que era impossível estar na rua, e até em casa, com o cheiro a podre que se sentia no concelho.

Mais Notícias

    A carregar...
    Logo: Mirante TV
    mais vídeos
    mais fotogalerias

    Edição Semanal

    Edição nº 1668
    12-06-2024
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1668
    12-06-2024
    Capa Lezíria/Médio Tejo