Sociedade | 11-09-2023 07:00

Festa da Ascensão na Chamusca custou 450 mil euros e só gerou 30 mil de receita

Festa da Ascensão na Chamusca custou 450 mil euros e só gerou 30 mil de receita
Executivo da Câmara da Chamusca, presidido por Paulo Queimado (PS), continua a investir verbas elevadas na realização da Semana da Ascensão. Foto CM Chamusca

Município da Chamusca elaborou um relatório financeiro sobre as principais festas do concelho realizadas em 2023. A Semana da Ascensão gerou despesas próximas do meio milhão de euros e receitas de 30 mil para o município. Só nos espectáculos musicais a autarquia gastou cerca de 150 mil euros.

As principais festas realizadas, até ao momento, durante o ano de 2023 no concelho da Chamusca custaram aos cofres municipais cerca de 600 mil euros sendo que a quase totalidade da fatia do bolo vai para a Semana da Ascensão. Segundo um relatório financeiro a que O MIRANTE teve acesso, que o município descreve como sendo sobre as actividades de promoção do concelho, conclui-se que a Festa da Ascensão custou mais de 450 mil euros e gerou uma receita de 30 mil euros, em aluguer de espaços, patrocínios e vendas de artigos.
Em relação às despesas, o maior gasto foi para a contratação de espectáculos musicais (ver caixa). Nos artistas contratados para o Palco Ascensão o município gastou cerca de 125 mil euros. No Palco Juventude e Palco Arraial a autarquia investiu 18,7 mil e 14,3 mil euros, respectivamente. Outros custos elevados associados à festa foram relacionados com o aluguer de som e luz (aproximadamente 78 mil euros) e com o aluguer de expositores, stand, bares e tasquinhas (cerca de 53 mil euros). As actividades taurinas realizadas durante os nove dias de festa também custaram à câmara municipal cerca de 29 mil euros.

Cogumelos, Sopas e São Pedro
O Festival do Cogumelo, que se realizou na Parreira de 3 a 5 de Março, envolveu um investimento de cerca de 58 mil euros e gerou 60 euros de receita. O festival que pretende a valorização do cogumelo e a promoção da cultura e história locais teve os seus maiores gastos municipais nos espectáculos musicais (18,4 mil euros) e no aluguer de tendas, luz e som. No Festival das Sopas Ribatejanas, que decorreu na freguesia de Vale de Cavalos, também foram os concertos a gerar a maior despesa (16 mil euros), só ultrapassado pelo aluguer de tendas, luz e som (38,6 mil euros). No total, a festa custou à câmara cerca de 62 mil euros. Por último, a Feira de São Pedro e do Chocalho, que decorreu em Junho no Chouto, custou cerca de 20 mil euros.

Artistas “esfregam as mãos” na Ascensão

Os nove artistas que pisaram o palco principal da semana da Ascensão na Chamusca custaram cerca de 125 mil euros, sendo que a maior fatia do bolo foi para Os Quatro e Meia e Carolina de Deus, que actuaram em dias diferentes, recebendo mais de 33 mil euros. Em segundo lugar, Ana Bacalhau e Karetus, artistas que também actuaram em noites diferentes, receberam do município mais de 24 mil euros. Os Azeitonas receberam cerca de 13 mil euros e o espectáculo do artista popular Toy envolveu um investimento superior a 13 mil euros. A também artista popular Rosinha recebeu pela sua actuação cerca de cinco mil euros enquanto Custódio Castelo e Ivandro, que também actuaram em dias diferentes, receberam mais de 12 mil euros pelos seus espectáculos. No Palco Juventude o município gastou mais de 13 mil euros com as actuações dos DJ, valor que envolve despesas com alimentação e alojamento. A câmara terá gasto valor semelhante com os artistas do Palco Arraial, onde actuaram fadistas como Rui Tanoeiro, João Chora, coros de universidades seniores do concelho e espectáculos de flamengo e sevilhanas.

Mais Notícias

    A carregar...
    Logo: Mirante TV
    mais vídeos
    mais fotogalerias

    Edição Semanal

    Edição nº 1668
    12-06-2024
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1668
    12-06-2024
    Capa Lezíria/Médio Tejo