Sociedade | 01-01-2024 10:00

Famílias ucranianas vão ter de sair de edifício em Tomar

Famílias ucranianas vão ter de sair de edifício em Tomar

Refugiados ucranianos alojados em edifício pertença de uma IPSS de Tomar vão ter de abandonar imóvel. Município está a trabalhar numa solução para as famílias.

As famílias ucranianas que encontraram na cidade de Tomar um novo lar, durante os primeiros meses da invasão da Rússia à Ucrânia, estão a ser desalojadas. A informação foi dada pela deputada Célia Bonet, do Partido Social Democrata, durante a última sessão de Assembleia Municipal de Tomar. A autarca, que já foi vereadora no executivo camarário, afirmou saber que as famílias ucranianas estão a receber cartas da câmara municipal a informar que têm de sair até ao final de Dezembro [do ano passado], com cerca de um mês de antecedência. A deputada, que também é presidente do Centro de Integração e Reabilitação (CIRE) de Tomar, menciona ainda que existem agregados com filhos menores e com filhos com deficiência a precisar de ajuda.

O presidente da Câmara Municipal de Tomar, Hugo Cristóvão, esclareceu que as famílias ucranianas estão num edifício que não é municipal que, embora esteja ao serviço, é propriedade é de uma Instituição Particular de Solidariedade Social (IPSS) do concelho, sublinhando que a mesma solicitou à autarquia a devolução do edifício. O autarca explicou que as cartas são uma formalidade que o município é obrigado a cumprir numa situação com aqueles contornos, acrescentando que a autarquia já conseguiu ajudar a encontrar trabalho para alguns membros de agregados familiares, sendo que os que não têm trabalho estão a receber rendimentos. Hugo Cristóvão completou afirmando que todas as pessoas são acompanhadas pela Segurança Social e que o município está a trabalhar para encontrar soluções para as famílias que necessitem de ajuda.

Mais Notícias

    A carregar...
    Logo: Mirante TV
    mais vídeos
    mais fotogalerias

    Edição Semanal

    Edição nº 1652
    21-02-2024
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1652
    21-02-2024
    Capa Lezíria/Médio Tejo