Sociedade | 01-03-2024 13:26

Célia Leiria estreia-se como compositora no novo álbum “Mulher Amor”

Célia Leiria estreia-se como compositora no novo álbum “Mulher Amor”

Fadista de Alcanhões vai lançar simbolicamente o seu novo trabalho no Dia Internacional da Mulher. Célia Leiria considera que “a mulher, infelizmente, ainda tem muito que batalhar para alcançar algo”.

A fadista Célia Leiria, natural de Alcanhões, Santarém, estreia-se como compositora no seu novo álbum, “Mulher Amor”, que sai na sexta-feira, 8 de Março, assinando com o escalabitano Pedro Amendoeira uma das dez composições do alinhamento. O álbum é editado no Dia Internacional da Mulher, uma escolha da fadista que, em declarações à agência Lusa, afirmou que “a mulher, infelizmente, ainda tem muito que batalhar para alcançar algo, nunca são partes iguais ao nível de homem/mulher”. “É sempre com muito trabalho e esforço, que a mulher consegue chegar a algum lado”, afirmou.

Célia Leiria recuperou do repertório de Teresa Tarouca (1942-2019) o tema que dá título ao álbum, “Mulher Amor” (Lima Brummon/António Chainho). A escolha deste título “foi pelo significado em si, do amor de uma mulher, seja qual for, um amor não correspondido, um amor proibido, um amor à cidade de Lisboa. O amor da mulher é sempre muito especial”, argumentou. “Sempre gostei de cantar o amor, e este tema acompanha-me há muitos anos”, acrescentou.

O novo álbum sucede a “Caminhos”, editado há 11 anos. Para a fadista, há que editar “na altura própria e não editar por editar”, mas sim quando se sente preparado e “amadurecido” o conceito do disco. “Faz sentido deixar as coisas que eu quero gravar e as coisas feitas à minha maneira, de uma forma madura e que fazem sentido a mim”, acrescentou à Lusa.

“Foi um longo tempo de um disco para o outro, para chegar a este resultado, mas no espaço de um disco para o outro houve um amadurecimento em mim, enquanto pessoa, enquanto mulher, entretanto fui mãe, e há um crescimento e um amadurecimento entre um disco e outro que a mim faz todo o sentido”, disse a fadista ribatejana.

Referindo-se à recuperação deste tema e de outros que fazem parte do alinhamento do disco, criados por nomes como Maria da Fé, Fernanda Maria ou Anita Guerreiro, Célia Leiria afirmou: “Temos coisas tão bonitas no nosso legado fadista que não é só apresentar coisas novas, mas também trazer ao presente temas muito bonitos que ficaram lá atrás, mas continuam muito atuais”.

“A Anita faz parte do meu caminho, trabalhei muito tempo com ela numa casa de fados, O Faia, porque gosto da cidade de Lisboa, não sendo eu da capital, mas é ela que me acolhe no meu trabalho e no meu dia-a-dia e gosto muito da calçada portuguesa, que é muito bonita e nem sempre nos apercebemos”, explicou. Referindo-se ao legado fadista, acrescentou: “Se cá estamos hoje, a eles o devemos, como costumo dizer, nunca esqueço de quem me carregou às costas”.

Além de Marta Rosa, Célia Leiria desafiou outro fadista, Gonçalo Salgueiro, “a escrever um poema” para a sua filha, Maria Ana, que também participa no álbum. “O nascimento da minha filha foi uma das coisas que me amadureceu. Eu quis que ele escrevesse um poema, mas sem dizer ‘minha rica filha’, porque sei que o Gonçalo tinha uma relação muito bonita com a mãe dele e tem um coração enorme, e desafiei-o, ele ficou um bocado nervoso, mas apresentou-me ‘Maria, Flor de Jade’ que inicialmente era para um fado tradicional, mas depois, com o passar do tempo, com a pandemia, fez-me todo o sentido ser eu enquanto mãe e o Pedro [Amendoeira], que é o pai da criança fazermos a música”, disse.

A fadista qualificou o tema como "familiar", pois foi feito para a sua filha com música composta por si, o que é uma estreia, e pelo pai, Pedro Amendoeira, tendo sido criada uma frase musical para permitir a participação da filha no clarinete. Além da participação simbólica de Maria Ana, no clarinete, neste álbum, surgem outros instrumentos como o contrabaixo (Varlos Menezes), e outro menos habitual na prática fadista, o acordeão, pelo músico brasileiro Luciano Maia.

Neste álbum Célia Leiria é ainda acompanhada pelos músicos Pedro Amendoeira, na guitarra portuguesa, João Filipe, na viola, e Carlos Menezes, na viola baixo e contrabaixo. O álbum conta com outros temas, de autoria de fadistas, como “Jogo” (Teresinha Landeiro, Fado Edmundo, de João Filipe), e “Eu sei que o Amor és Tu” (Elsa Laboreiro/Fado Rigoroso, de José Marques ‘Piscalarete’).

Célia Leiria é natural de Alcanhões e com apenas 14 anos começou a dar os primeiros passos no fado. Cresceu no seio de uma família com tradição fadista no Ribatejo. O seu ponto de partida ocorreu quando o fadista Carlos Zel a convidou para cantar nas “Quartas de Fado “, do Casino do Estoril, em 2001.

Mais Notícias

    A carregar...
    Logo: Mirante TV
    mais vídeos
    mais fotogalerias

    Edição Semanal

    Edição nº 1660
    17-04-2024
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1660
    17-04-2024
    Capa Lezíria/Médio Tejo