Sociedade | 03-03-2024 07:00

Hugo Cristóvão diz que Festa dos Tabuleiros merece um milhão de euros de investimento

Hugo Cristóvão diz que Festa dos Tabuleiros merece um milhão de euros de investimento
O presidente da Câmara de Tomar, Hugo Cristóvão, com o mordomo Mário Formiga na sessão de apresentação de contas

Município de Tomar investiu 1,1 milhões de euros na Festa dos Tabuleiros em 2023. Certame, que se realiza de quatro em quatro anos, terá recebido nesta edição cerca de um milhão de visitantes.

A Câmara Municipal de Tomar investiu 1,1 milhões de euros na Festa dos Tabuleiros em 2023, tendo a cidade recebido cerca de um milhão de visitantes durante os 10 dias do evento, anunciou a organização, que acrescenta que muito mais de metade foi gasto na economia local, na preparação da iniciativa e ao longo do evento, que decorreu entre 1 e 10 de Julho de 2023.
Hugo Cristóvão, presidente da autarquia, refere que “a utilização dos mecanismos de contabilidade analítica tem vindo a permitir identificar mais facilmente os custos específicos de cada sector e actividade, o que se reflecte depois numa atribuição muito mais fidedigna dos gastos, como é o caso, por exemplo, das despesas com pessoal”.
Por outro lado, salienta Hugo Cristóvão, “houve um aumento significativo dos preços entre 2019 e 2023, que se reflectiu nas contas finais”. A maior fatia do investimento municipal - 602.710,66 euros - engloba os 270 mil euros que a autarquia atribuiu inicialmente à Comissão Central, assim como 125 mil euros que o município destinou a componentes de promoção, som, luz e programação cultural.
Além disso, o município transferiu uma verba de 207.710,66 euros para a comissão, mas que, segundo Hugo Cristóvão, não “é uma despesa da autarquia”, correspondendo ao valor recebido da componente de espaços de venda ambulante e que a câmara transferiu para a comissão da festa.
A iluminação pública, electricidade, publicidade, informática, segurança, limpeza e outros, representaram uma despesa de 400.215,66 euros.
Hugo Cristóvão recorda que a Festa dos Tabuleiros acontece “apenas de quatro em quatro anos” e, apesar de admitir que “seria possível fazer uma festa mais barata”, o autarca defende que, caso isso acontecesse, a iniciativa não teria as mesmas características. “Tem um peso no orçamento municipal, mas é o investimento que a festa e que a comunidade, no nosso entendimento, mereceu”, acrescenta.
Da parte da comissão da festa, o ‘mordomo’ Mário Formiga reporta um total de custos de cerca de 890 mil euros, com proveitos que somaram quase 910 mil euros, resultando num resultado positivo de cerca de 19.200 euros. Mário Formiga refere que, “segundo análise da PSP, terá havido cerca de 700 mil visitantes em Tomar no total dos dois fins-de-semana dos Tabuleiros”. Tal número, acrescenta, “permite extrapolar um número global de cerca de um milhão de pessoas na cidade ao longo dos 10 dias”.
Com origem pagã, simbolizando a época das colheitas, a Festa dos Tabuleiros adquiriu carácter religioso na Idade Média, com a Rainha Santa Isabel, sendo os tabuleiros da festa de Tomar únicos com esta forma nas tradicionais festas do Espírito Santo que se realizam um pouco por todo o país. Dada a sua complexidade, a festa realiza-se de quatro em quatro anos, tendo havido apenas uma edição em que o povo decidiu adiar a sua realização por um ano, por coincidir com a Expo 98, evento no qual participou com um cortejo a convite do então Presidente da República, Jorge Sampaio. A decisão de realizar a Festa dos Tabuleiros é sempre tomada pela população, numa sessão convocada pela câmara municipal para o efeito, no ano anterior à sua realização.

Mais Notícias

    A carregar...
    Logo: Mirante TV
    mais vídeos
    mais fotogalerias

    Edição Semanal

    Edição nº 1660
    17-04-2024
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1660
    17-04-2024
    Capa Lezíria/Médio Tejo