Sociedade | 01-04-2024 10:00

Prisão preventiva para homem que violou e mutilou mulher em Tomar

Suspeito com antecedentes por violência doméstica fica a aguardar o desfecho da investigação privado de liberdade. Vítima teve alta hospitalar depois de ter sido sujeita a cirurgia de reconstrução ao dedo, que lhe foi barbaramente cortado com uma tesoura de poda.

O suspeito de violar, espancar, rapar o cabelo, arrancar sobrancelhas e pestanas, e cortar um dedo com uma tesoura de poda à sua companheira de 42 anos, no concelho de Tomar, ficou em prisão preventiva por decisão do Tribunal de Santarém, depois de ter sido ouvido em primeiro interrogatório judicial, no dia 20 de Março. A vítima, cabeleireira de profissão com estabelecimento em Tomar, esteve vários dias internada no Hospital de São José, em Lisboa, onde foi sujeita a uma cirurgia de reconstrução ao dedo.
Ao que foi possível apurar, o homem terá violado a mulher no carro em que ambos se deslocaram para um passeio junto à barragem da Albufeira de Castelo de Bode, a 17 de Março. Já na casa onde residiam em união de facto, em Paialvo, o suspeito de 44 anos terá amarrado a mulher à cama para lhe rapar o cabelo, arrancar pestanas e sobrancelhas e cortar o dedo que a cabeleireira utilizava no seu trabalho para segurar na tesoura de corte.
Após a vítima ter conseguido pedir auxílio, o suspeito acabou interceptado e detido pela GNR que passou depois o caso para a Polícia Judiciária. Com antecedentes criminais por violência doméstica e uma pena suspensa, o detido cumpre a medida de coacção no Estabelecimento Prisional de Caldas da Rainha.

Incapacitar a vítima para o trabalho
O crime chocou Paialvo e Tomar, onde a vítima exerce a sua profissão. Fontes próximas acreditam que o suspeito quis não só agredi-la com violência como humilhá-la ao retirar-lhe os seus traços de feminilidade e incapacitá-la para o trabalho que exerce há vários anos ao cortar-lhe um dedo, para que assim ficasse financeiramente dependente dele.
“Arrancou-lhe todos os traços femininos que ela tem, sabendo que ela trabalha na área da beleza e a imagem é importante. Este caso ultrapassa todos os limites da maldade”, lê-se numa mensagem de uma colega de trabalho partilhada nas redes sociais.

Vítima teve alta e está a recuperar

De braço ao peito, cabeça rapada e sorriso no rosto. É assim que a cabeleireira se revela numa fotografia publicada por uma colega de trabalho, nas redes sociais, cinco dias após o crime de que foi vítima a 17 de Março. A cabeleireira esteve internada no Hospital de São José, onde, através de cirurgia, lhe foi reconstruído o dedo cortado pelo agressor. Em resposta à fotografia, amigos, clientes e até desconhecidos enviaram mensagens de apoio e coragem à mulher de 42 anos.

Mais Notícias

    A carregar...
    Logo: Mirante TV
    mais vídeos
    mais fotogalerias

    Edição Semanal

    Edição nº 1660
    17-04-2024
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1660
    17-04-2024
    Capa Lezíria/Médio Tejo