Sociedade | 04-04-2024 15:00

Guarda que tentou parar briga no Entroncamento já regressou ao trabalho mas cego de um olho

Guarda que tentou parar briga no Entroncamento já regressou ao trabalho mas cego de um olho
Rui Vicente, pai do GNR Duarte Vicente que foi agredido à porta de um bar no Entroncamento

Militar agredido quando tentava controlar desacatos à porta de um bar passou por um período de nove meses de recuperação. Regressou à GNR cego de uma vista.

Volta agora ao serviço com as sequelas das agressões que lhe cegaram um olho e com o risco de ter ataques epiléticos por causa da fractura do crânio em quatro sítios. O pai, que é polícia, conta agora a história que, apesar da gravidade, está a correr bem e a devolver aos poucos a tranquilidade à família.

Duarte Vicente regressou ao serviço na GNR nove meses depois da agressão que sofreu quando tentava controlar desacatos à porta de um bar no Entroncamento. O militar voltou ao trabalho a 1 de Abril, a três meses de fazer 24 anos, cego do olho esquerdo, a sequela mais grave e irreversível que sofreu quando foi agredido e caiu ao chão tendo batido com a cabeça e fracturado o crânio em quatro sítios. Para já vai fazer serviço interno no posto de Abrantes, sua terra natal, onde estava colocado há um mês depois de ter estado na segurança do Ministério dos Negócios Estrangeiros. O pai, Rui Vicente, polícia em Abrantes, que o quer preservar no regresso à sua vida normal, prevê que se tudo correr bem em Maio já estará a fazer a sua actividade profissional normal.

Mais Notícias

    A carregar...
    Logo: Mirante TV
    mais vídeos
    mais fotogalerias

    Edição Semanal

    Edição nº 1660
    17-04-2024
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1660
    17-04-2024
    Capa Lezíria/Médio Tejo