Sociedade | 06-04-2024 15:00

Municípios da região têm medidas para evitar abandono escolar precoce

Municípios da região têm medidas para evitar abandono escolar precoce
Instituto Nacional de Estatísticas indica que taxa de abandono precoce da educação e formação em Portugal aumentou 8% em 2023

A percentagem de retenção ou desistência dos estudos sobe à medida que a escolaridade avança.

A nível nacional as estatísticas apontam para um aumento do número de jovens que não terminam o secundário. Constância, Ourém, Torres Novas e Vila Nova da Barquinha são os municípios com números mais elevados no Médio Tejo. Na Lezíria 8,3% dos alunos não passa de ano ou desiste do ensino secundário. Municípios contrariam estatísticas com programas de combate ao insucesso escolar.

O Instituto Nacional de Estatísticas (INE) indica que a taxa de abandono precoce da educação e formação em Portugal aumentou no ano passado para 8%, quebrando a tendência gradual de diminuição que se registava desde 2017. No Médio Tejo, comparando os vários anos lectivos desde 2016/2017, verifica-se que as percentagens de retenção ou desistência escolar nas escolas públicas são muito variáveis. Analisando os dados fornecidos pela Comunidade Intermunicipal do Médio Tejo, tendo como referência o ano lectivo 2021/2022, a taxa de retenção ou desistência no 1º ciclo de escolaridade foi de 1,50% no total dos municípios que compõem a região. No 2º ciclo de escolaridade a taxa sobe para 2,60%, no 3º ciclo para 4,40% e no ensino secundário para 6,30%.
No 1º ciclo, o município do Sardoal lidera a tabela com 5,50% de retenção ou abandono escolar, seguido de Abrantes (3,30%) e Mação (2,40%). Já no 2º ciclo, Abrantes tem 6,60% dos alunos que desistem ou chumbam, seguido de Tomar (3,80%) e Entroncamento (1,90%). No 3º ciclo, o Entroncamento destaca-se com 9,80%, seguido de Abrantes com 4,40% e o Sardoal com 4,30%. No ensino secundário, o concelho de Constância é o que regista maior taxa (8,30%), seguido de Ourém (7,60%), Torres Novas e Vila Nova da Barquinha com 7,50%.
O Plano Estratégico de Desenvolvimento Intermunicipal da Educação (PEDIME) continua em vigor nos municípios do Médio Tejo. Actua nos agrupamentos de escolas, municípios e comunidade intermunicipal. Um dos objectivos passa por reduzir o insucesso e o abandono escolar antes do tempo, apoiar os alunos com maiores dificuldades, promover a cultura científica, das artes e das competências metacognitivas e diversificar as ofertas profissionalizantes. Para atingir resultados, algumas das medidas passam pela inclusão dos alunos, programar visitas de estudo, dar a conhecer o património natural e cultural e tentar cativar os jovens através das actividades Ciência Viva Médio Tejo e valorizar o ensino profissional.

CIMLT envolve pais
Nos municípios que fazem parte da Comunidade Intermunicipal da Lezíria do Tejo (CIMLT) a taxa de retenção/desistência de alunos, no ano lectivo 2021/2022, foi de 4,0% no ensino básico e de 8,3% no ensino secundário. Está em vigor desde 2017 o Plano Integrado e Inovador de Combate ao Insucesso Escolar da Lezíria do Tejo (PIICIE LT), financiado pelo Fundo Social Europeu, no âmbito do Portugal 2020 – Alentejo 2020. De acordo com a CIMLT a abrangência do programa reflecte-se nas taxas de escolarização superiores a 100% em vários níveis de ensino, um indicador do comprometimento dos estudantes com a sua formação. Através de dez equipas multidisciplinares de intervenção comunitária este programa desenvolve actividades nos 19 agrupamentos de escolas dos municípios associados da CIMLT, com vista a reduzir o abandono e insucesso escolar desde a pré-escola ao ensino secundário.
Cada município tem uma academia de inteligência emocional que realiza avaliações e acompanhamento psicológico, workshops e acções de sensibilização e oficinas criativas de inteligência emocional em contexto de sala de aula. Os alunos podem frequentar um programa de mentoria onde são trabalhadas individualmente as metas escolares e onde se combate o absentismo. A terceira acção do programa é a educação parental positiva que consiste na implementação de grupos de pais de crianças dos 3 aos 6/8 anos e dos 8 aos 18 anos para a realização de treinos de competências parentais, acompanhamento psicológico e coaching parental para diminuir os factores de risco familiar.
Oficinas criativas de meditação mindfulness, Laboratório Móvel de Inovação e Aprendizagens, aulas que são dadas na natureza e em contextos não formais, são outras das actividades desenvolvidas com os alunos. “O balanço do projecto é referenciado como bastante positivo e de sucesso, pelos beneficiários directos (crianças, jovens, encarregados de educação, docentes, assistentes operacionais) e pelos municípios da Lezíria do Tejo e 19 agrupamentos de escola”, sublinha a CIMLT.

VFX promove sucesso escolar
Muitos municípios do país optam por ter programas próprios para incentivar os jovens a prosseguir os estudos. Em Vila Franca de Xira, por exemplo, desde 2022 que a autarquia criou a Unidade de Promoção do Sucesso Escolar. O objectivo é promover o ajustamento psicossocial e o sucesso académico junto de crianças e jovens, promovendo a sua participação e envolvimento na comunidade, e capacitar os diferentes actores da comunidade escolar para a construção de relações saudáveis, facilitadoras da aprendizagem e crescimento. No ano de 2023 esta unidade desenvolveu 14 tipologias de acções distintas, envolvendo crianças, jovens, encarregados de educação, docentes e pessoal não docente, totalizando 5.274 sessões que abrangeram 5.333 participantes.
Quanto a dados concretos sobre a taxa de abandono escolar o município remete para o Ministério da Educação.

Mais Notícias

    A carregar...
    Logo: Mirante TV
    mais vídeos
    mais fotogalerias

    Edição Semanal

    Edição nº 1665
    22-05-2024
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1665
    22-05-2024
    Capa Lezíria/Médio Tejo