Sociedade | 08-04-2024 15:00

Abrantes com mais de 60% de novos pedidos de apoio social

Abrantes com mais de 60% de novos pedidos de apoio social
Raquel Olhicas vereadora com o pelouro da Acção Social na Câmara de Abrantes

O município de Abrantes tem em vigor, desde 2014, o Programa de Apoio aos Estratos Sociais Desfavorecidos registando no ano passado mais renovações e mais pedidos novos e de pessoas mais jovens.

A Câmara de Abrantes registou em 2023 “mais pedidos” de apoio social e “mais jovens a pedir ajuda”, situação que atribui à subida dos preços dos bens de primeira necessidade, das rendas e das prestações à habitação. “Esta recente crise que vivemos (…) teve repercussões ao nível das rendas, com uma inflação notória ao nível de todos os bens. Os salários muitas vezes não são suficientes para fazer face às despesas e as dificuldades no acesso à habitação também são uma realidade, tanto que os apoios para as rendas continuam a ser aqueles que emergem mais também ao nível dos nossos pedidos”, disse à Lusa a vereadora da Acção Social do município de Abrantes. Segundo Raquel Olhicas, no âmbito do Programa de Apoio aos Estratos Sociais Desfavorecidos, em vigor desde 2014, e numa “análise comparativa com 2022”, houve no ano passado “mais renovações” e “mais pedidos novos e, curiosamente, em pessoas mais jovens”.
Para a vereadora, esta situação “justifica-se tendo em conta o panorama nacional” e sublinhou que este não é um cenário exclusivo de Abrantes. “É nacional e eu diria mesmo mundial. Tivemos efectivamente 64% de novos pedidos (78 pessoas/famílias) e 36% de renovações (44 pessoas/famílias) em 2023. Em 2022 tínhamos mais renovações, com 60%, e 40% de novos pedidos. Portanto, completamente diferentes estes dados”, notou, tendo indicado que muitos dos novos pedidos de ajuda são de famílias monoparentais.
Segundo os dados do relatório anual do município de Abrantes referentes a 2023, os requerentes de pedidos de apoio social têm uma idade compreendida entre os 26 e os 59 anos tendo a vereadora afirmado que a câmara “tem conseguido responder às necessidades da população”, nomeadamente no âmbito da Rede Social, e com “programas e medidas de apoio específicas, analisadas caso a caso”, e que visam a autonomia, sempre que possível.
Ao nível de orçamento, o programa constitui um total de 65 mil euros de apoios definidos, “muito similar” a 2022. “A nível de apoio não foi maior. A nível de diferença essencial, o que se reflecte é na tipologia dos pedidos. Portanto, mais novos pedidos e na idade das pessoas. As pessoas são mais jovens. Antigamente tínhamos a fasquia dos 65 a pedirem mais este tipo de apoio, agora temos jovens a partir dos 26 anos, as tais mães monoparentais a fazer este primeiro pedido”, declarou.
Na “categoria das origens”, Raquel Olhicas apontou a um “dado muito positivo”, tendo indicado que, “em 2023, 48% foram efectuados por beneficiários do Rendimento Social de Inserção (RSI)”, enquanto em 2022 a percentagem era de 62%. Esse diferencial “reflecte uma melhoria significativa ao nível da autonomia destas pessoas no que diz respeito à procura activa de emprego e à concretização das mesmas”, afirmou.
Para a autarca, “a notória melhoria deve-se ao facto de o município ter assumido, desde 1 de Janeiro de 2023, as competências no âmbito da Acção Social”, ao abrigo da descentralização de competências do Estado para as autarquias locais. “Estamos mais próximos das pessoas, conhecemos melhor o território, logo a intervenção é mais integradora e eficaz”, destacou.

Mais Notícias

    A carregar...
    Logo: Mirante TV
    mais vídeos
    mais fotogalerias

    Edição Semanal

    Edição nº 1664
    15-05-2024
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1664
    15-05-2024
    Capa Lezíria/Médio Tejo