Sociedade | 19-04-2024 14:28

Trabalhadores da Cimpor exigem reunião à administração após greve de três dias

Trabalhadores da Cimpor exigem reunião à administração após greve de três dias

A cimenteira de Alhandra foi uma das unidades industriais da Cimpor afectadas pela greve. Trabalhadores exigem que a administração responda às diversas reivindicações pecuniárias e não pecuniárias e reduza o horário semanal de trabalho.

Os trabalhadores da Cimpor, que realizaram uma greve de três dias, a partir de terça-feira, exigem uma reunião à administração para avançar com o processo negocial e irão convocar plenários para discutir novas formas de luta, segundo um comunicado. Na nota, da Federação Portuguesa dos Sindicatos da Construção, Cerâmica e Vidro (Feviccom), a estrutura sindical começou por fazer um balanço da paralisação, que incluiu a cimenteira de Alhandra, indicando que “levou à paralisação total da produção e a uma forte afectação nas vendas de cimento”. “A verdade é que a receita que a empresa está a perder daria, no todo ou em parte, para atender às nossas reivindicações”, destacou.

A Feviccom disse depois que iria agora “exigir uma reunião urgente à Administração para dar sequência ao processo negocial, de forma a encontrar-se uma solução que valorize dignamente os salários, responda às diversas reivindicações pecuniárias e não pecuniárias, reduza o horário semanal de trabalho, respeite os direitos, consagre o Apoio Complementar na Saúde a todos os trabalhadores, reformados e seus familiares e garanta a igualdade de tratamento entre os trabalhadores das diversas empresas”.

A organização sindical prometeu “realizar plenários em todas as fábricas, em datas a anunciar oportunamente, para analisar os impactos da greve e discutir e decidir novas ações de luta, caso a administração não responda positivamente às propostas já apresentadas pelos trabalhadores das empresas do grupo Cimpor”.

A estrutura sindical disse ainda que o novo accionista do grupo, a Taiwan Cement (TCC) Corporation, “apresentado como o terceiro grupo mundial no negócio dos cimentos, tem a responsabilidade social e a obrigação empresarial de considerar e assumir as propostas sindicais em Portugal”. Tem ainda, defendeu, “o dever de melhorar significativamente os salários e assegurar um conjunto de direitos, como o Apoio Complementar na Saúde, que mantém em Taiwan" mas que, em Portugal, "retirou aos atuais e futuros reformados e seus familiares”, assegurou.

Os trabalhadores reclamam aumentos salariais de 8% em 2024, num mínimo de 200 euros, um período normal de trabalho de 37 horas semanais a partir de 1 de Janeiro de 2025, o pagamento de anuidades, a retribuição do trabalho por turnos, feriados no regime de laboração contínua e o pagamento do 15.º mês.

Entre as reivindicações estão ainda apoio escolar a filhos dos trabalhadores, transportes e abonos para deslocações, o alargamento da progressão de carreira de diversas categorias profissionais, a criação de uma nova categoria profissional de Oficial de Conservação Elétrica e Eletrónica e melhorias no serviço de prevenção.

Mais Notícias

    A carregar...
    Logo: Mirante TV
    mais vídeos
    mais fotogalerias

    Edição Semanal

    Edição nº 1664
    15-05-2024
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1664
    15-05-2024
    Capa Lezíria/Médio Tejo