Sociedade | 27-04-2024 12:00

Maus-tratos a crianças e jovens devem ser denunciados sem hesitações

Maus-tratos a crianças e jovens devem ser denunciados sem hesitações
Luís Constantino, procurador do Ministério Público do Tribunal de Família e Menores de Tomar, dirigiu a palestra sobre situações de perigo detectadas em contexto escolar

“Situações de perigo detectadas em contexto escolar” foi o mote para uma palestra em Tomar que abordou a importância de comunicar rapidamente problemas como negligência parental ou actos considerados criminosos praticados por jovens.

Quem tiver conhecimento de alguma situação de maus-tratos a crianças ou jovens deve comunicá-la para ser investigada, independentemente de a ter presenciado ou não. Quem o diz é Luís Constantino, procurador do Ministério Público do Tribunal de Família e Menores de Tomar, que conduziu a palestra “Situações de perigo detectadas em contexto escolar”, a 17 de Abril, no auditório do Serviço de Formação Profissional do IEFP em Tomar. A palestra contou com a presença de cerca de 80 pessoas, maioritariamente professores, assistentes sociais e advogados.
Se a família de uma criança ou jovem até aos 18 anos que esteja em perigo, não cuidar da situação, legitima a intervenção de terceiros, nomeadamente em casos em que não estão asseguradas as necessidades básicas da criança. Entre eles estão maus-tratos físicos ou psicológicos, negligência ou descuido ao nível da educação, nomeadamente pouca assiduidade e mau comportamento, explica Luís Constantino. Quando se constata que os pais ou quem tem a guarda da criança não demonstra capacidade de resolver o problema, as escolas, centros de saúde, Instituições Particulares de Solidariedade Social, associações ou clubes desportivos que a criança frequente regularmente devem intervir junto da família para resolver a situação e defender os interesses da criança.
A intervenção deve incluir exclusivamente as entidades indispensáveis à promoção dos direitos e interesses da criança para preservar a sua privacidade, diz o procurador. Caso a situação não se resolva em articulação com a família, as entidades ou pessoas que a detectem devem informar a Comissão de Protecção de Crianças e Jovens (CPCJ) para investigar e cuidar do caso. Assim como qualquer funcionário que verifique marcas ou indícios estranhos numa criança deve comunicá-los ao Ministério Público para o caso ser investigado.

A urgência de agir
Luís Constantino destacou a urgência em agir, como em casos de absentismo escolar e negligência parental, para não condicionar o desenvolvimento educacional e emocional das crianças. Quanto mais tarde for tratado o problema, mais difícil será reverter a situação. No caso dos jovens, entre os 12 e 16 anos, que pratiquem actos que a lei considera crime, como agressões físicas ou psicológicas, ameaças, furto, abusos sexuais ou estar na posse de fotografias ilícitas, é obrigatória a denúncia ao Ministério Público pelos funcionários públicos que tenham conhecimento da situação, mesmo que não a tenham presenciado, sendo aberto um processo tutelar educativo.
Para os jovens com mais de 16 anos suspeitos da prática de algum crime é aberto um processo criminal. Apesar de ao omitir a denúncia praticar uma infracção, o procurador refere que ainda há escolas que não comunicam estas situações. “Estes processos servem para mostrar aos jovens que há comportamentos inadmissíveis que devem ser alterados”, afirma Luís Constantino.

Mais Notícias

    A carregar...
    Logo: Mirante TV
    mais vídeos
    mais fotogalerias

    Edição Semanal

    Edição nº 1665
    22-05-2024
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1665
    22-05-2024
    Capa Lezíria/Médio Tejo