uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
31 anos do jornal o Mirante

Ganhar a vida com o cartão do partido

Edição de 02.05.2007 | Opinião
Fui assistir à entrega da medalha de ouro da cidade de Santarém ao Capitão de Abril Salgueiro Maia. Estive do lado da assistência a bater palmas aos ilustres oradores, entre os quais se encontrava o político e poeta Manuel Alegre. E com o povo anónimo aplaudi e senti a emoção dos aplausos em memória de um homem que ajudou a fazer a revolução e não quis nada em troca.Quase todos os oradores usaram as palavras habituais que caracterizam a atitude nobre e honrada do Capitão de Abril. Salgueiro Maia foi um herói humilde. Jamais se deixou usar pelos oportunistas e nunca foi na cantiga de aceitar cargos e prebendas.Para ele a maior honra foi ter ajudado a fazer a Revolução. E, por força das circunstâncias, e do seu valor como militar, ter sido um dos homens mais influentes que derrubaram o antigo regime.Sempre que os oradores falavam do seu desapego a honrarias e da atitude nobre de nunca se ter servido do Estado, ficava mais visível para mim, na primeira linha dos ilustres convidados, uma das figuras presentes. Refiro-me ao presidente da Região de Turismo do Ribatejo, o ilustre socialista Carlos Abreu, talvez o homem político da nossa região que exerce há mais tempo um cargo público, e cujo trabalho ninguém conhece mas cuja remuneração é superior ao de um presidente de câmara. Não posso falar em nome de ninguém, muito menos de Salgueiro Maia. Mas tenho a certeza que se ele fosse vivo jamais apertaria a mão a um político que se serve de um cartão de militante para ganhar a vidinha sem fazer nada.É claro que a culpa é do sistema que permite este descarado e vil aproveitamento de um Estado mal governado. A culpa é desta democracia de farta brutos. De arranjinhos e cestos de ovos à medida dos interesses partidários. A culpa também é da nossa falta de militância cívica para denunciarmos as aberrações que continuam a manchar a nossa frágil democracia. PS: Como se esperava ninguém falou durante esta homenagem da forma como a antiga Câmara de Santarém tratou a estátua de Salgueiro Maia. Talvez por isso foram notórias algumas ausências. Se não compareceram por vergonha acho que merecem ser perdoados. Deus também lhes perdoaria.

Mais Notícias

    A carregar...