uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
31 anos do jornal o Mirante
Turbulência interna deixa direcção do Ouriquense sem quórum
foto DR Conceição Salvador ficou sozinha ao comando do clube mas para já não se demite

Turbulência interna deixa direcção do Ouriquense sem quórum

Três dos cinco elementos demitiram-se e contestam a presidente, a quem acusam de autoritarismo.

Edição de 06.03.2019 | Desporto

A direcção do Estrela Futebol Clube Ouriquense está a funcionar sem quórum, depois de três dos cinco elementos que a compunham terem apresentado a demissão. O “autoritarismo” da presidente da direcção do clube de Vila Chã de Ourique, concelho do Cartaxo, é apontado como justificação para as demissões do vice-presidente, do tesoureiro e do 2º secretário, em Outubro último.
Até agora, nem a presidente da direcção, Conceição Salvador, pediu demissão, nem o presidente da assembleia-geral, André Beda, marcou uma assembleia extraordinária para convocar novas eleições. “Ninguém tinha liberdade para fazer o que quer que fosse”, refere a O MIRANTE Conceição Beijinho, 1ª secretária da direcção, que vai também apresentar demissão em breve. “Tenho aguentado esta situação por causa dos jovens e dos pais que não têm culpa do que se está a passar”, acrescentou.
Gisela Costa, ex-tesoureira da direcção, diz ter pedido demissão porque nunca foi tesoureira. “Desde o primeiro minuto nunca pude mexer no dinheiro que entrava, logo não iria responsabilizar-me por algo em que não mexia”, referiu.
A anterior direcção foi liderada por Gonçalo Ramalho que ocupava neste mandato o lugar de 2º secretário. Também ele, em meados de Outubro, pediu a demissão do cargo. “Demiti-me porque a pessoa que está na presidência não me inspira confiança. Quis apoderar-se de tudo sozinha, então que fique como está, sozinha”, afirmou a O MIRANTE.
Presidente rejeita autoritarismo
Conceição Salvador, presidente da direcção, que tomou posse em Maio de 2018, refuta as críticas. “Se para alguns autoritarismo é querer rigor e exigir que sejam pagas as mensalidades, isso admito, mas isso não é autoritarismo”, referiu.
Em breve irá haver uma assembleia-geral para a direcção apresentar contas, que terá que acontecer até 31 de Março. Questionada sobre se vai apresentar a demissão, Conceição Salvador não avança com certezas. “Tudo será decidido na próxima assembleia-geral, que está para breve”, disse.
André Beda diz que “oficialmente” ainda ninguém deixou a direcção, houve simplesmente um “afastamento”. No seu entendimento, os estatutos do clube são “omissos” sobre a questão das demissões. O presidente da assembleia-geral recebeu as cartas de demissão dos três elementos, mas não as considerou oficiais por não ter havido uma assembleia-geral.
“Irá haver uma assembleia-geral até dia 31 de Março para a direcção apresentar contas. Achei que era desnecessário estar a convocar duas assembleias em tão curto espaço de tempo. Nessa altura irá debater-se o assunto das demissões”, justificou.

“Alguma direcção pode estar legal com apenas duas pessoas?”
Quanto à ilegalidade do funcionamento da direcção do clube, uma vez que está sem quórum, o responsável diz desconhecer se será mesmo assim. “Se eu não aceitei a demissão de ninguém, não há demissão oficial”, aponta. Logo, continua, “a direcção não pode tomar nenhuma decisão, é verdade, mas ilegal não sei se está”.
Para Conceição Beijinho, 1ª secretária da direcção demissionária, a situação é clara. “Quando os estatutos do clube são omissos, é evocada a lei geral do associativismo que refere que quando as pessoas pedem demissão, não precisam de aceitação de ninguém”, refere. Quanto à falta de quórum a 1ª secretária evoca também a lei do associativismo: “mas alguma direcção pode estar legal com apenas duas pessoas, sem haver quórum?”, questiona.

Política e futebol

Curiosa é a relação política que une os intervenientes da direcção e da assembleia-geral do clube. A presidente da direcção do Ouriquense é também presidente da mesa da Assembleia de Freguesia de Vila Chã de Ourique. Por sua vez, André Beda, presidente da assembleia-geral do clube, integrou as listas à junta de freguesia, encabeçadas pelo presidente de junta de freguesia, Vasco Casimiro, que é o 2º secretário da mesa da assembleia do clube.

Turbulência interna deixa direcção do Ouriquense sem quórum

Mais Notícias

    A carregar...