uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
31 anos do jornal o Mirante
Utilizadores queixam-se do mau estado da estrada entre Valhascos e Alferrarede
Passagem frequente de camiões deixou a via em muito mau estado e os utilizadores queixam-se

Utilizadores queixam-se do mau estado da estrada entre Valhascos e Alferrarede

Câmara de Abrantes diz que vai reabilitar esse troço depois de terminarem obras na Estrada Nacional 2.

Edição de 07.08.2019 | Sociedade

Quem circula com regularidade pela Estrada Municipal (EM) 555, entre Valhascos (concelho do Sardoal) e Alferrarede (concelho de Abrantes), queixa-se do mau estado do pavimento há vários anos. O problema está em cerca de dois quilómetros de estrada, no concelho de Abrantes, com muitos buracos ao longo da via que obrigam os carros a circularem com muita precaução.
A situação agravou-se desde que, neste mês de Julho, o trânsito de pesados na Estrada Nacional (EN) 2 foi desviado para essa estrada devido a uma intervenção numa passagem hidráulica que a Infraestruturas de Portugal (IP) está a realizar na zona da ribeira dos Casais de Revelhos, logo após as rotundas do nó de acesso à A23.
O presidente da Câmara de Abrantes, Manuel Valamatos (PS), admite que a estrada está em péssimas condições e que a intenção do município é iniciar o processo de reabilitação da estrada mas só depois de terminarem as obras que vão decorrer, segundo informação da IP, até meados de Agosto.
Fernando Lourenço Ferreira é um dos automobilistas que necessita de utilizar essa estrada e lamenta o mau estado do pavimento. “Esta estrada está num estado bastante grave há muito anos. De vez em quando a câmara municipal vem cá colocar alcatrão mas passado um tempo já está cheia de buracos novamente. Agora com os camiões a serem obrigados a circular por aqui ainda pior”, critica o condutor.
Guilherme Amaro diz, com ironia, que a estrada parece um batatal e que só falta colocar eucaliptos na estrada. “Isto está assim há tantos anos e agora piorou por causa dos camiões. Podemos não ser muitos a passar por esta estrada mas temos os mesmos direitos que as outras pessoas”, afirma.
Rui Silva é motorista de pesados e nos últimos tempos tem sido obrigado a circular nessa estrada com regularidade por causa do desvio na EN2. “É um martírio ter que fazer esta estrada. Dói muito porque é muito desconfortável. Dentro do camião vai caindo tudo o que lá tenho por causa dos solavancos. Obrigam-nos a utilizar uma estrada que não tem as mínimas condições para circularmos”, lamenta.
Paulo Januário diz estar farto de se queixar à Câmara de Abrantes mas até agora ainda não houve uma intervenção de fundo que arranje a estrada em condições. Marília Paulo trabalha numa quinta de eventos e todos os dias opta por um caminho mais longo para evitar a EM 555. “Temos uma casa aberta que traz muita gente de fora e todos fazem este reparo, que é a estrada estar em péssimas condições e terem que fazer um caminho mais longo porque o pavimento não é arranjado”, sublinha.
A IP informa que a intervenção que está a realizar é numa passagem hidráulica, localizada ao km 390. A EN2 está com o trânsito proibido à circulação de veículos pesados entre a rotunda de Olho de Boi (acesso da A23) e o Sardoal.

Utilizadores queixam-se do mau estado da estrada entre Valhascos e Alferrarede

Mais Notícias

    A carregar...