uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
31 anos do jornal o Mirante

Acessos à Escola Manuel Fernandes preocupam Câmara de Abrantes

Congestionamentos no trânsito instalam-se quando pais vão levar e buscar alunos. Presidente do município alerta para importância de se optar por transportes públicos.

Edição de 09.10.2019 | Sociedade

O vereador do Bloco de Esquerda (BE), Armindo Silveira, alertou para a necessidade de criar outro acesso rodoviário à Escola Dr. Manuel Fernandes, em Abrantes. Os períodos de maiores congestionamentos de trânsito acontecem ao início da manhã e ao final da tarde quando os pais dos alunos vão levá-los e buscá-los. “Todos sabemos que o caos se instala, a determinadas horas, por força de uma afluência excessiva de veículos ligeiros que ficam muitas vezes em segunda fila e prejudicam o trânsito junto àquela escola”, sublinhou Armindo Silveira.
O vereador demonstrou preocupação caso um dia seja necessário deslocar meios de socorro para a escola ou prédios adjacentes e o acesso esteja bloqueado. O presidente da Câmara de Abrantes, Manuel Valamatos (PS), respondeu que o mais importante é mudar a mentalidade dos pais que levam os filhos à escola em veículos particulares. “Quando eu era estudante fazíamos a viagem de casa para a escola, e vice-versa, de autocarro. Temos que sensibilizar os pais da importância dos jovens utilizarem os transporte públicos”, alertou. Valamatos reconheceu, no entanto, que as acessibilidades na cidade são uma preocupação do executivo que lidera.
O vice-presidente João Gomes (PS) explicou que no Plano de Urbanização de Abrantes (PUA) existem duas soluções. A primeira liga a cidade desportiva ao acesso à Escola Dr. Manuel Fernandes e a segunda faz a ligação entre a escola e o Vale da Fontinha. “São dois estudos, ainda não são projectos, para construir uma circular à volta da cidade, sobretudo do centro histórico”, explicou.
Manuel Valamatos referiu que estes estudos estão previstos mas é um investimento de muitos milhões de euros, que necessitará de financiamento comunitário para que a câmara possa avançar. “Mesmo com a construção de uma nova via temos que preparar e educar as pessoas para a utilização do transporte público”, sublinhou.
O vereador Rui Santos (PSD) recordou que o projecto de novas acessibilidades está no PUA há muitos anos e que tem que ser concretizado. “Não podemos continuar a dizer que existem estudos. Esta é uma obra estruturante para a cidade que um dia tem que sair do papel. A maioria socialista tem que dizer quando”, questionou. Valamatos acrescentou que não se consegue fazer tudo ao mesmo tempo e que têm que ser estabelecidas prioridades.

Mais Notícias

    A carregar...