uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
31 anos do jornal o Mirante

Numa família de músicos Samuel Pascoal é o maestro

Jovem músico dirige a banda filarmónica da Gançaria e foi homenageado recentemente em Santarém. Começou a escrever música aos 17 anos e actualmente é compositor de música erudita.

Edição de 15.12.2016 | Sociedade

Samuel Pascoal cresceu numa família de músicos e por isso foi com naturalidade que aos oito anos ingressou na banda da Sociedade Filarmónica Instrução e Cultura Musical da Gançaria, concelho de Santarém. A mãe e o irmão mais novo tocam trompete. O pai e o irmão do meio tocam percussão. Samuel optou pelo clarinete. Pertencem todos à Banda da Gançaria. Samuel Pascoal é maestro da banda há cerca de três anos. Nem sempre é fácil dirigir os pais e os irmãos mas garante que com calma e paciência tudo se consegue e que até hoje nunca houve problemas.
Aos 30 anos, o maestro da banda da Gançaria foi homenageado em Novembro num concerto organizado pela Sociedade Filarmónica Alcanedense e pelo Centro Cultural Regional de Santarém. Uma distinção que confessa ter recebido com surpresa. “A banda filarmónica de Alcanede, além de ser a mais antiga do concelho, também já lá toquei. Quando a banda da Gançaria foi criada existiu alguma rivalidade porque muitos dos elementos que estiveram na criação da banda da Gançaria tocavam em Alcanede e não foi fácil. Além disso, são meios pequenos. Fiquei muito contente pelo reconhecimento, sobretudo porque sou um jovem”, disse a O MIRANTE.
Além de maestro na banda da Gançaria, Samuel Pascoal é músico na Banda da Armada desde 2007. Começou a escrever música aos 17 anos e actualmente é compositor de música erudita. Nunca teve dúvidas que o seu percurso profissional seria na área da música. Aos 17 anos saiu da Gançaria e foi estudar clarinete para o Conservatório Nacional em Lisboa. Depois concorreu à Academia Nacional Superior de Orquestra, que pertence à Orquestra Metropolitana. Mais tarde concorreu à Marinha. Fez a recruta e entrou para a banda. Também concorreu à Escola Superior de Lisboa, onde estudou clarinete e fez um curso de direcção de orquestra.
Nas reuniões familiares não pode faltar música e a família encontra-se nos ensaios e concertos da banda. O maestro da banda da Gançaria vai ser pai em Fevereiro e já está decidido que a criança vai aprender a tocar piano quando tiver quatro anos. “Depois decide se quer continuar ou não mas a música deve fazer parte da educação de qualquer ser humano. É muito importante”, considera.
A música é uma paixão e também um modo de vida. Samuel garante que não é fácil mas que é possível viver só da música. “Quem corre por gosto não cansa. Um músico sabe que não tem fins-de-semana nem feriados. Um músico serve para animar as pessoas e as actividades lúdicas e culturais acontecem aos fins-de-semana e à noite”, justifica.

Bandas souberam reinventar-se
Samuel vive com a esposa, Marta, no Carregado, a meio caminho entre Lisboa e a Gançaria, onde se desloca todas as semanas para os ensaios da banda filarmónica. Samuel Pascoal afirma que existe cada vez mais jovens nas bandas filarmónicas e diz que isso se deve ao facto destas terem sabido reinventar-se e evoluído. “As bandas filarmónicas souberam adaptar-se aos tempos modernos. Tocam músicas conhecidas do grande público. Enquanto maestro não posso dar ao público o que eu gosto mas sim o que eles querem ouvir. Acredito que as bandas filarmónicas vão continuar no futuro porque os jovens gostam de música. Só têm que ser atraídos e isso compete às bandas saberem cativá-los”, refere.
O maestro explica que as três bandas filarmónicas do concelho de Santarém estão concentradas no norte do concelho, num raio de dez quilómetros de distância. “É um meio mais rural e ali a música é uma forma de inserção e é fazer parte de algo maior. O facto de não haver tanta diversidade de actividades desportivas e culturais faz com que os jovens vão para a banda. Aprender música é algo transcendente que todas as pessoas deviam experimentar. Na banda aprendem-se valores fundamentais como disciplina, respeito e camaradagem, que nos últimos anos, infelizmente, se tem perdido”, afirma.
A Sociedade Filarmónica Instrução e Cultura Musical da Gançaria comemorou o 36º aniversário e para assinalar a data a banda apresentou o espectáculo “Sons Ibéricos” que se realizou na noite de sábado, 10 de Dezembro, na Casa do Campino, em Santarém.

Mais Notícias

    A carregar...